Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2022

Projeto de estudantes voltado aos direitos das mulheres tem milhares de seguidores 

Postagens começaram em agosto no Instagrampágina já tem mais de 2,4 mil seguidores 

O Projeto Mulheres no Direito, desenvolvido por Giovana Bassini, Letícia Chieppe, Gabriela Longhi, Natália Rojas e Júlia Lopes, alunas do 4° período de Direito da PUC-Campinas, está atraindo milhares de seguidores no Instagram. As postagens de conteúdo jurídico, que começaram dia 14 de agosto, somam 30 até dia 23 de novembro, e a página já conseguiu até o momento 2.405 seguidores.

Clique aqui para ver

O projeto surgiu a partir de um trabalho proposto na disciplina de “Direitos Humanos II”, ministrada pelo professor Silvio Beltramelli Neto. “Como alunas do curso de Direito, desejávamos criar algum projeto que trouxesse informações e debates a respeito de temas de Direitos Humanos com enfoque na mulher, já que nossos estudos são, na sua grande maioria, desenvolvidos por homens e pouco se abordam juristas femininas”, disse Giovana Bassini.

A estudantes também perceberam que a esfera jurídica atual, embora tente, muitas vezes falha na tutela dos direitos dessa parcela da população. As taxas de violência contra a mulher são exorbitantes, o mercado de trabalho as remunera menos que os homens para realizar as mesmas funções e a sociedade como um todo as discrimina.

“A aceitação tem sido muito positiva, temos recebido feedback constante dos seguidores, há muita interação daqueles interessados no conteúdo elaborado”, diz Giovana.

Os posts têm uma média alta de compartilhamentos, comentários e cópias. O objetivo foi criar um espaço informal e com linguagem acessível, em que qualquer pessoa, independentemente de ter contato direto ou não com o meio jurídico, possa participar.

“A repercussão do projeto tem sido incrível e temos recebido feedback positivo constante daqueles interessados no conteúdo elaborado. Estamos conseguindo alcançar nossas metas iniciais e propor temas para pessoas que não têm necessariamente contato com o meio jurídico. Por ser uma plataforma digital, temos seguidores de diferentes cidades do Brasil, fato que sempre enriquece nossas discussões”, avalia Giovana.

As estudantes ainda não têm planos de desenvolver outros trabalhos relacionados ao tema e ao projeto, mas seguem abertas a possibilidades que surgirem.



Marcelo Andriotti
22 de novembro de 2020