Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2021

Conheça


Parte integrante da formação do estudante, que vivencia a prática da profissão a partir do 8º semestre ao garantir serviços psicológicos gratuitos à população – sobretudo da Região Metropolitana de Campinas –, o serviço-escola de Psicologia existe desde 1967 na PUC-Campinas. Conveniado com o SUS (Sistema Único de Saúde), o espaço promove não apenas a formação dos alunos, mas também a saúde mental das pessoas atendidas.

Ao procurar pelos atendimentos, seja por demanda espontânea, seja por encaminhamento, o indivíduo passa por um processo de acolhimento psicológico, que resulta posteriormente na indicação de um plano de cuidado. Essa indicação pode ser realizada na própria clínica, dentro das modalidades ofertadas (intervenção individual, intervenção de grupos, avaliação psicológica e oficinas psicoeducativas) ou resultar, ainda, em encaminhamentos externos para outros equipamentos considerados mais adequados à necessidade identificada.

Os acolhimentos psicológicos são agendados em datas específicas divulgadas pelo serviço-escola e ocorrem mediante apresentação de documento com foto, encaminhamento (quando houver), cartão do SUS e comprovante de endereço original. Menores de 18 anos precisam estar acompanhados pelos responsáveis legais. Os atendimentos são programados de acordo com disponibilidade de agenda, podendo o paciente ser destinado a uma fila de espera.

O serviço-escola, que está situado no prédio do Ambulatório de Especialidades, no Campus II da PUC-Campinas, também oferece à comunidade o Programa de Valorização Profissional “Se Liga no Trabalho”, voltado a pessoas que estão em busca de emprego. Os interessados devem realizar inscrição na recepção do serviço. O telefone para contato é o (19) 3343-6846.

Missão

Atender a demanda do cliente, levando em consideração a saúde e a formação integral do ser humano, fortalecendo seu crescimento pessoal, respeitando a diversidade, a ética e o meio ambiente. Além de promover a manutenção ou recuperação da saúde mental/emocional, buscamos auxiliar no enfrentamento de diversos tipos de problemas que acarretam no psicológico do cliente

Pilares

O Serviço-Escola de Psicologia vinculado a faculdade de psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas têm como base os três pilares: contribuir na formação do profissional psicólogo; oferecer assistência de qualidade á população e ser um espaço de construção de conhecimento científico.

Visão

Atender com ética, transparência, equidade e responsabilidade.

Valores

Ser uma instituição, gratuita, laica, democrática, comprometida com os clientes.

O QUE É PSICOLOGIA ?


 

A palavra Psicologia tem origem grega e é formada a partir da união de duas palavras Psique (mente) + logia (estudo). Psicologia é compreendida como uma ciência que estuda o comportamento e as funções mentais, ou seja, as ações do ser humanos e os fenômenos psíquicos, bem como analisando as emoções, as ideias e valores.

O psicólogo diagnostica, previne e trata doenças mentais, distúrbios emocionais e de personalidade. Ajuda o cliente a identificar as causas dos problemas através da análise de atitudes, sentimentos e certos mecanismos mentais.

O QUE A PSICOLOGIA FAZ?


 

A palavra Psicologia tem origem grega e é formada a partir da união de duas palavras Psique (mente) + logia (estudo). Psicologia é compreendida como uma ciência que estuda o comportamento e as funções mentais, ou seja, as ações do ser humanos e os fenômenos psíquicos, bem como analisando as emoções, as ideias e valores.

O psicólogo diagnostica, previne e trata doenças mentais, distúrbios emocionais e de personalidade. Ajuda o cliente a identificar as causas dos problemas através da análise de atitudes, sentimentos e certos mecanismos mentais.

Pode atuar em diversos contextos, mas atua em uma área específica da saúde, redução do sofrimento do homem, considerando a subjetividade. Contribui na promoção de mudanças e transformações visando o benefício dos sujeitos, grupos, e também a prevenção. Dá o devido suporte em situações de crise, quadros psicopatológicos e realiza atendimentos terapêuticos. Atua junto aos indivíduos ou grupos na prevenção, orientação e tratamento de questões relacionadas ao desenvolvimento, adolescência e envelhecimento. Pode operar sob programas de atenção primária, centros e postos de saúde (UBS) e também em programas de pesquisa.

Prestação de serviço em nível secundário ou terciário da atenção a saúde e também em instituições de ensino superior e centros de pesquisa. Atende pacientes, familiares, responsáveis, membros da comunidade, membros da equipe multiprofissional, alunos, pesquisadores, visando o bem estar físico e emocional do indivíduo. Avalia e acompanha as intercorrências psíquicas do paciente que estão ou serão submetidas a procedimentos médicos, bem como realiza possíveis intervenções.

Atua na realização de pesquisas, diagnóstico e intervenção preventiva ou corretiva. Auxilia o professor, contribui na análise e intervenção no clima educacional, bem como prestação de serviços diretos e indiretos aos agentes educacionais. No caso de aluno com necessidades especiais, o psicólogo pode analisar as características individuais e orientar a escola na aplicação de programas especiais de ensino.

Pode atuar em diversas áreas: análise e desenvolvimento organizacional, ação humana nas organizações, desenvolvimento de equipes, consultoria organizacional, recrutamento e seleção, desenvolvimento de programas de recursos humanos, dentre outras. Está envolvido com a saúde do trabalhador (notificação, prevenção, reabilitação e promoção de saúde), sempre buscando melhor qualidade de vida no trabalho.

SERVIÇOS OFERECIDOS


Acolhimento Psicológico


Presencial e remoto (online)

O acolhimento psicológico no serviço-escola da PUC-Campinas é o processo inicial de escuta qualificada, com o objetivo de identificar e compreender as necessidades da pessoa para, ao fim, propor um plano de cuidado que pode incluir outros equipamentos de saúde e serviços.

Intervenções Psicológicas Individuais


Adulto e Infantil

Na Clínica Psicológica utilizam-se diferentes métodos psicoterápicos ancorados em seus respectivos referenciais teóricos. O atendimento abrange as diversas faixas etárias – crianças, adolescentes, adulto e idoso – e aborda patologias diversas. A atuação e interação estabelecidas pelo terapeuta com o paciente levam em conta a especificidade de cada faixa etária e o problema apresentado.

Avaliação Psicológica


A avaliação psicológica é um processo técnico e científico realizado com pessoas ou grupos de pessoas que, de acordo com cada área do conhecimento, requer metodologias específicas. Utiliza-se um conjunto de técnicas e procedimentos que tem o objetivo de verificar determinados fenômenos psicológicos de uma pessoa, sendo o psicólogo o único profissional habilitado por lei para exercer esta função, alguns exemplos desses fenômenos psicológicos são a memória, inteligência e atenção. Trata-se de um estudo que requer um planejamento prévio e cuidadoso, de acordo com a demanda e os fins ao qual a avaliação se destina. Além da avaliação psicológica no contexto clínico, ela pode estar em outras áreas como educação, trabalho e outros setores em que ela se fizer necessária.

Intervenções grupais


São realizados grupos de crianças, adolescentes, adultos, casais, idosos. Os grupos são organizados de acordo com alguns critérios que incluem idade, escolaridade e condições emocionais. Reúnem-se geralmente uma vez por semana.

Os grupos podem ser psicoterapêuticos, que incluem pessoas com dificuldades psicológicas diversas, ou grupos operativos, nos quais os participantes trabalham sobre objetivos ou dificuldades comuns.

Se liga no trabalho


Se liga no trabalho é um projeto que visa auxiliar na empregabilidade de pacientes ou parentes de pacientes, em conjunto com o Serviço-Escola de Psicologia da PUC-Campinas.

(RE)Aprender em casa


Texto aberto

Programa Pré-Natal Psicológico


O Programa Pré-Natal Psicológico tem por objetivo promover um espaço de reflexão e orientação às gestantes usuárias do Serviço-Escola de Psicologia da PUC-Campinas, do Hospital da PUC-Campinas e da comunidade em geral de Campinas e região.
Os encontros são realizados em grupo (com número limitado de participantes), conduzidos por estagiários de psicologia do 10º semestre, com o apoio de uma aluna da pós-graduação de Psicologia.
O grupo acontece de maneira virtual por meio do aplicativo Skype (que pode ser baixado tanto no computador quanto no celular). Sempre às segundas-feiras (exceto feriados) com início no dia 05/10/2020 das 18h30 às 20h.
A gestante poderá ingressar no grupo a qualquer momento e em qualquer época da gestação, mediante o número de vagas.
Dentre os temas que serão abordados estão: expectativas e medos relacionados aos tipos de parto, métodos farmacológicos e não farmacológicos para o alívio da dor, preparação do acompanhante para o parto, aleitamento materno, aspectos psicológicos do puerpério, cuidado ao bebê, mitos sobre a parentalidade, depressão pós parto e outros geradores de sofrimento, sexualidade no pós-parto, e outros.

Plantão psicológico online


O Plantão Psicológico Online é uma modalidade de atendimento clínico que atende a demanda emocional imediata da pessoa que o busca. Funciona de maneira pontual, sem necessidade de agendamento. É um espaço virtual para falar sobre sentimentos, pensamentos, aflições e angustias. Os atendimentos são ofertados por estagiários do último ano de psicologia que recebem supervisão de professores. Para acessar, é necessário possuir o aplicativo Skype instalado no celular ou computador e entrar em contato com a conta de skype plantaopsicopuccampinas@gmail.com nos seguintes dias e horários: Quarta das 08 às 12 hs e sexta 17h às 21h (exceto feriados). O atendimento é direcionado para pessoas maiores de 18 anos e residentes da cidade de Campinas e região.

Chat do Hospital PUC-Campinas


O Chat é uma iniciativa do Hospital e da Universidade da PUC-Campinas uma ação que prevê orientações gerais sobre a COVID-19 para população e acolhimento psicológico.
Os atendimentos são realizados por estagiários da psicologia que estão a partir do 8º semestre por meio do site https://www.hospitalpuc-campinas.com.br/covid-19-coronavirus/
O interessado pode acessar de segunda a sexta-feira das 8 às 20 hs (exceto feriados).

Atenção Psicológica Ocupacional: Serviço de Orientação para o Mercado de trabalho com foco com foco em mulheres vítimas de violência


O objetivo deste trabalho é orientar mulheres vítimas de violência de gênero a respeito de oportunidades no mercado de trabalho, quer seja ele formal ou informal.

As temáticas que serão abordadas são:

  • a importância de se interromper o ciclo da violência de gênero no âmbito doméstico;

  • a busca pela independência financeira através do trabalho/ocupação;

  • a melhora na autoestima a partir do enfrentamento da violência

  • o reconhecimento de habilidades ocupacionais

  • orientações gerais sobre educação formal

  • preparação para o mercado de trabalho/emprego.

O trabalho será desenvolvido por estagiários do curso de Psicologia da PUC-Campinas, na Área de Psicologia do Trabalho/Organizações no campo “Segurança Pública”.

Os atendimentos ocorrerão de forma remota via aplicativo Skype

As inscrições são via e-mail PSICO.APO@GMAIL.COM contendo os seguintes dados: nome completo, data de nascimento, telefone e disponibilidade de horário no período de 05 de outubro a 23 de novembro de 2020.

EQUIPE


Karine Santiago Oliveira CRP: 03/130040 – Psicóloga Responsável Técnica
Adelita Cabrera Costa CRP: 06/141405 – Psicóloga Assistencial
Graziella Gamper Nunes CRP: 06/109262 – Psicóloga Assistencial
Helena Maria Costanzi Nader CRP: 06/145282 – Psicóloga Assistencial
Márcia Cristina Fonseca Lambert CRP: 06/81212 – Psicóloga Assistencial

Luciana Gurgel Guida Siqueira CRP: 06/48729-7 Integradora Acadêmica

Os atores do serviço-escola são: a equipe de recepção, os supervisores, os estagiários e os usuários.

DEPOIMENTOS


Maria Angélica Bicudo Hossri

“Atuei na clínica por cerca de 20 anos (1972-1991), como coordenadora da clínica realizava as primeiras entrevistas com os clientes que procuravam o serviço da PUC, nessas entrevistas eu realizava a triagem (psicodiagnóstico, psicoterapia) e depois distribuía os casos aos supervisores. Depois disso, acompanhava os casos e orientava as secretárias para como trabalhar com a questão do sigilo e ética.

Sempre nos primeiros dias de aula, eu ministrava uma aula inaugural e distribuía aos alunos algumas apostilas que continham orientações de procedência diante da clínica. Eu era responsável também, por prover para a clínica o material necessário para o atendimento como, por exemplo, as salas de atendimento, as caixas de brinquedos, os brinquedos, o material pedagógico.

Ao final do ano, junto com os supervisores, eu acompanhava a realização do resumo sobre o caso para anexarem na pasta do cliente, caso o mesmo necessitasse continuar no ano seguinte com a psicoterapia, porém com estagiário diferente.”

Elza Lauretti Guarido

“ Coordenei a Clínica de Psicologia de1999 ao início de 2004. Neste período dois aspectos merecem ser ressaltados. Em primeiro lugar a mudança da Clínica para o Campus II, em 2000, deixando as dependências do Prédio Central onde funcionou por muitos anos, e aproximando-se dos demais serviços que a PUC oferece à comunidade. A adaptação deste local, no andar inferior do prédio de Ambulatórios, demandou um longo trabalho de planejamento entre os supervisores e com a arquiteta responsável pelo projeto – um ano de visitas à obra (idas e vindas, definição de espaços, escolha de mobiliário, insistência para ter ventiladores nas salas) que finalmente chegou ao que é, se não suficiente, necessário para o aprendizado dos alunos em serviço. Foi um grande ganho.

Em segundo lugar, mas não menos importante, foi a inserção da Clínica de Psicologia nos serviços conveniados ao SUS no município, passando a fazer parte do Convênio que o Hospital Maternidade Celso Pierro/PUC já mantinha com a Prefeitura Municipal de Campinas. Para isso houve um esforço importante tanto na esfera administrativa quanto na transformação do modelo de trabalho, garantindo uma atuação da Psicologia integrada à Rede de serviços públicos. Decorre daí um duplo benefício: antes de tudo para a população da região, que passou a contar com atendimento psicológico pelo SUS (do qual a grande maioria depende); e também para os alunos, que puderam vivenciar a atuação do psicólogo como Profissional de Saúde fazendo parte dessa Rede de Atenção. ”

Hipólito Carretoni Filho

“ De 2000 até 2006, atuei como coordenador da clínica, a qual passou por uma reforma estrutural quando eu assumi a coordenação, no sentido de, reorganizar as salas e também mudanças na dinâmica.

Como coordenador da clínica, o trabalho era imenso, pois atuavam também os alunos da pós-graduação. As salas eram agendadas na administração, pelas secretárias. No início do ano eram abertas as vagas para a seleção de candidatos, para serem atendidos. De acordo com a necessidade dos professores, aceitava-se um número variado de adultos, adolescentes e crianças, até que se preenchesse o quadro de possibilidades.

Na clínica, havia também o plantão psicológico, o qual foi desenvolvido por alguns professores, para atendimentos emergenciais, ora dirigidos ou mandados pelo hospital, ora para as pessoas que estavam em situação de emergência serem rapidamente atendidos, de forma específica. ”

Floreanita Coelho Braga Campos

“ Com a minha atuação na clínica em 1987 e minha atuação no Centro de Saúde em 1988, algumas coisas na clínica me incomodavam, como a não relação dos Centros de Saúde com a clínica, não existia canal para tal relação, além do mais, na clínica não se atendia pacientes mais graves, pacientes psicóticos e também os alunos eram instruídos, como forma de aula mesmo, sobre a importância de cobrar, como que se a pessoa pagasse ela ficaria mais comprometida com o tratamento, eu nunca concordei com isso, eu sempre discuti muito isso na clínica.

Em 1989, eu e a Antônia Camargo, que na época era diretora da clínica, trabalhamos em uma comissão junto à prefeitura e junto ao Hospital Celso Pierro para a clínica poder cadastrar o SUS. Então a PUC aderiu ao SUS e a clínica também.

Em 2004 eu voltei pra PUC, substituindo a Elza Guarido na clínica. Nessa época a clínica estava deixando de ser Clínica de Psicologia e passando a ser Serviço-Escola de Psicologia. Mudando não só o nome, mas também a forma de funcionamento. A primeira providência como coordenadora foi contratar profissionais que ficassem responsáveis para as diferentes áreas e campos no Serviço-Escola, então a gente tinha uma profissional que trabalhava mais com as questões escolares, uma com a clínica, hospitalar e os estágios de Trabalho e Organizações.

Durantes todos esses anos, eu, a Antônia Camaego e a Elza, participamos de encontros de Serviços-Escola de Psicologia, onde a PUC era chamada para falar várias vezes, pois esse termo de adesão ao SUS era uma coisa que os outras Clínicas não tinham. ”

Karina de Carvalho Magalhães

“ Quando o Serviço de Psicologia saiu do Campus Central e veio para o Campus II, que ele se acoplou no andar debaixo dos serviços de especialidades e se criou o Serviço de Psicologia, então todos os estágios passaram a ser realizados no próprio Campus II. Pois antes o único estágio que era supervisionado e realizado no Campus II era a supervisão que eu fazia, eu era supervisora de estágio do hospital, isso em 1999.

Vindo o serviço para o Campus II, foi contratada pelo CCV (Centro de Ciências da Vida), uma psicóloga assistencial da clínica, do Serviço-Escola de psicologia. Parte do trabalho dela era na UTI infantil do hospital e parte ela atendia no Serviço de Psicologia e dava esse apoio como psicóloga de referência. Nessa época os estágios eram realizados na clínica, com os supervisores, as psicólogas de referência davam uma retaguarda, mas não tinha o formato que o serviço tem hoje.

Hoje, são cinco psicólogas contratadas no total, elas estruturam o serviço e nós entramos enquanto supervisores para se adequar a essa estrutura pré-estabelecida, por elas e pela integradora acadêmica. Acho que essa é a grande mudança, antes os trabalhos eram mais separados dos supervisores, eles mesmo que conduziam as supervisões e as práticas clínica de acordo com a experiência de cada um, mas a gente não tinha essa uniformidade, essa padronização dos processos de trabalho. A partir do momento que o serviço ganhou essa cara de tentar montar um serviço de psicologia onde incluísse também não só a clínica, mas também a área escolar e do trabalho, começou-se a construir uma equipe técnica que é responsável pelo gerenciamento dos processos de trabalho e o supervisor entra mais para supervisionar os casos dentro do seu referencial teórico.

A PUC sempre acompanhou, independente da época, o que era de mais atual no momento, então eu não acho que a forma que o Serviço funcionava no passado era pior, eu acho que a gente evoluiu de acordo com os acontecimentos históricos, culturais e políticas públicas, então a gente sempre está muito perto do avanço da psicologia e da saúde. Acho que todos os momentos foram importantes. ”

Contato


Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campus II, Avenida John Boyd Dunlop, S/N / Ambulatório Térreo, Jardim Ipaussurama.
13060-904, Campinas, São Paulo.

(19) 3343-6846

(19) 97166-5474