PROJETO RESTAURO

"SOLAR DO BARÃO DE ITAPURA"
PUC CENTRAL

puc-logo-brasao

imagem-patio-leoes-01

SUSTENTABILIDADE, RESPONSABILIDADE E DIGNIDADE CULTURAL. OS CONCEITOS QUE JUSTIFICAM NOSSA AÇÃO

Já há algum tempo a PUC-Campinas vem planejando uma nova história para o Solar, que se iniciará, primeiramente, com o restauro do edifício. Este momento exige que se apontem os conceitos sobre os quais justificam essa ação. São eles: o de sustentabilidade cultural, de responsabilidade cultural e de dignidade cultural.

A sustentabilidade cultural vincula-se à compreensão de planejamento das ações culturais que objetivam a preservação do patrimônio cultural e o usufruto desse conhecimento por toda a sociedade. Indo ao encontro dessa premissa, a PUC-Campinas coloca-se como Instituição preocupada com a salvaguarda da memória e identidade cultural da cidade de Campinas e por isso, lança o desafio a todos de se comprometerem em resguardar a história para as gerações futuras.

Reconhecer a importância da sustentabilidade cultural e sua interface com a valorização e defesa do patrimônio histórico, cultural, artístico, arqueológico e paisagístico, não é uma tarefa simples, porém se faz extremamente necessária. Assim como o direito de acesso à informação e ao conhecimento, o patrimônio tem relação direta com o saber e o bemestar das pessoas. O meio ambiente cultural é aquele que torna a vida humana mais aprazível, mais completa, mais bonita, mais viva, mais interessante permitindo que o cidadão sobreviva com qualidade e dignidade cultural.

A preservação do patrimônio cultural é uma obrigação da sociedade civil e o restauro é uma ação que se faz necessária, pois as primeiras providências preventivas já não se sustentam. À medida que o número de bens tombados cresce, a necessidade por restaurações e manutenções também aumentam e o tratamento destinado a esses bens tendem a melhorar à medida que o entendimento e o reconhecimento do patrimônio como um bem público comum a todos, tomam perspectiva mais abrangentes. O interesse pela forma de tratamento dessas obras perpassa o interesse coletivo, e não apenas de uma pequena parcela da população.

É importante reforçar a necessidade de valorização das áreas de proteção e preservação patrimonial e da própria cultura material como fontes riquíssimas de registros e conhecimento. É preciso agir rapidamente para que os patrimônios não venham a ser descartados e marginalizados de forma imprudente. Levando em consideração as reflexões sobre a importância da preservação do patrimônio como responsabilidade cultural da sociedade civil e a relação com a sustentabilidade cultural, que reafirma as ações de planejamento pertinentes à preservação e a transmissão das identidades que contribuíram para a construção da história e da cultura campineiras.

A Universidade se coloca, ainda, como Instituição de Ensino Superior preocupada com a dignidade cultural, visto que compreende que os campineiros possuem o direito à cultural, às artes, à memória e ao conhecimento.

A PUC-Campinas reafirma sua efetiva e contínua participação na história que já imprimiu e que ainda irá imprimir na cidade como fomentadora das práticas preservacionistas da memória cultural da cidade de Campinas.

BREVE HISTÓRIA DO SOLAR DO BARÃO DE ITAPURA

CAMPUS CENTRAL DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

Desde as primeiras décadas do século XIX, o café substituía o açúcar como principal produto da economia campineira. Por volta de 1850, a Vila atingia a condição de um dos maiores centros cafeicultores da Província de São Paulo. A produção e comercialização do produto propiciaram grande desenvolvimento local permitindo a instalação de ferrovias, um hipódromo, calçamento de ruas, mercados, jardins, fontes, chafarizes, iluminação pública, associações culturais, artísticas e recreativas, lojas de qualidade de influência francesa e outros melhoramentos.

Na região de Campinas, na época conhecida como “Oeste Paulista”, instalaram-se inúmeros fazendeiros que, além de suas propriedades rurais, construíam seus palacetes na cidade.

Joaquim Policarpo Aranha (1809-1902) teve muito destaque na vida econômica, política e social da cidade. Além de próspero cafeicultor e proprietário de várias fazendas na região tomou parte na maioria das iniciativas públicas campineiras.

Foi vereador, comendador da Imperial Ordem da Rosa e, em 19 de janeiro de 1883, adquiriu o título de Barão de Itapura. Nascido na Vila de Ponta Grossa mudou-se muito jovem para Campinas com seus parentes. Mais tarde, tanto ele como seu irmão Manuel, futuro barão de Anhumas, tornaram-se grandes proprietários de terras no município.

O palacete conhecido como Solar do Barão de Itapura, no centro de Campinas, foi encomendado por Joaquim ao construtor Luiggi Pucci, para servir de residência para sua família. Em estilo renascentista italiano era um arrojado projeto para a época, pois, os 227 cômodos foram construídos em alvenaria de tijolos, substituindo a taipa de pilão, técnica empregada nesse período. A obra, realizada em três anos, é inaugurada em 1883.

O Barão residiu pouco tempo nesse endereço, tendo falecido em 1902 e sua esposa, a baronesa consorte, em 1921, quando o imóvel foi herdado pela única filha solteira dos seis filhos do casal, Izolethe de Souza Aranha.

Izolethe, a partir de 1935, aluga o edifício para a Arquidiocese de Campinas, que passou a utilizá-lo como sede de algumas repartições da Igreja, como, por exemplo, o Instituto das Missionárias de Jesus Crucificado, instituição religiosa criada pelo bispado de Campinas.

Em 1941 o prédio é transferido para a Sociedade Campineira de Educação e Instrução, até os dias de hoje mantenedora da Pontifícia Universidade Católica, a PUC-Campinas, para a instalação da Faculdade de Ciências, Filosofia e Letras.

A transferência oficial de propriedade aconteceu em 1952, quando Izolethe, ainda em vida, vendeu o edifício para a Arquidiocese.

Para a instalação da Universidade e o atendimento às novas funções educacionais, o palacete sofreu modificações na sua volumetria original, com ampliações no andar superior e a construção de anexos. Ainda assim é possível perceber a riqueza de detalhes e ornamentações, bem como a grandiosidade da residência original observada nas colunas jônicas, porões de teto abobadado, telhado de platibanda, janelas em semicírculos e afrescos.

Uma das características mais marcantes do edifício é o Pátio dos Leões, como ficou conhecido o antigo jardim do Solar. Restam ainda algumas palmeiras do jardim original, o portão de grade em ferro fundido e os pilares de cantaria com os leões que deram nome ao local.

O Solar foi tombado pelos órgãos de preservação estadual, o CONDEPHAAT (1983) e municipal, o CONDEPACC (1988).

foto-joaquim-policarpo-aranha
Escudo da Família Aranha
Escudo da Família Aranha

A PUC-CAMPINAS E O SOLAR DO BARÃO DE ITAPURA

puc_logo_mar_2016-1-tranpartente

foto-central-01

Desde o início do século XX o Brasil já contava com faculdades católicas com a criação, em 1908, no Mosteiro de São Bento, em São Paulo, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Na década de 1930, Dom Francisco de Campos Barreto, segundo Bispo da Diocese de Campinas, idealizou a criação de uma Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. Nessa época, a Igreja já administrava na cidade o Colégio Diocesano Santa Maria e a Academia de Comércio São Luís.

Para tornar real seu projeto, Dom Barreto funda, em 1941, ao lado do cônego Emílio José Salim e do padre Agnelo Rossi, a Sociedade Campineira de Educação e Instrução, a SCEI, que teria como missão reunir as instituições católicas campineiras de ensino.

A SCEI pede, então, autorização ao Conselho Federal de Educação para criar vários cursos como Filosofia, Geografia e História, Letras Neolatinas, Letras Clássicas, Letras Anglo-Germânicas, Matemática, Pedagogia, Ciências Políticas e Ciências Sociais, já planejando a expansão da recém-surgida Faculdade Campineira. 

Em 7 de Junho de 1941, no Solar do Barão de Itapura, nasce a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, a primeira unidade do que viria, mais tarde, a ser a Universidade.

As Faculdades, finalmente, se tornaram uma Universidade Católica, em 1955, e, em 1972, a Universidade recebe o título de Pontifícia atribuída pelo Papa Paulo VI. 

Nos 74 anos em que o Solar abrigou as dezenas de cursos da Universidade, mais de 180 mil profissionais se formaram em suas dependências.

Não tardou, no entanto, para que o casarão do Barão de Itapura se tornasse pequeno para agrupar todos os cursos da PUCCampinas. Assim, os novos Campi foram surgindo de acordo com a necessidade de espaço: o Campus I, o Campus II, o Seminário e o Instituto de Letras.

Já há alguns anos, a PUC-Campinas planejava uma nova história para o Solar do Barão, que passou a ser observado como o lugar das memórias que marcaram a história das personagens que moraram, estudaram e trabalharam no seu interior. Ou, ainda, o palco da história em que se viu a transformação urbana da cidade de Campinas.

O seu restauro e adequação de seu espaço físico às atividades de arte, cultura e lazer, deixarão o espaço em harmonia com as novas tendências de requalificação do centro de Campinas, impulsionando a valorização do entorno e do conjunto de imóveis inseridos ao seu redor.

Milhares de alunos que passaram pelo Solar fizeram da PUC-Campinas uma instituição relevante para a sociedade. Considerada a melhor universidade privada do estado de São Paulo e a melhor particular do país na área da saúde pela 5ª vez consecutiva. A Faculdade de Direito figura entre as
quatro melhores do estado no VI Exame de Ordem Unificado, além de as escolas de Engenharia estarem, seguidamente, entre as melhores do País, em ranking divulgado pelo Ministério da Educação.

foto-central-02
foto-central-03

O PROJETO DE RESTAURAÇÃO

imagem-restauro01
imagem-restauro03
imagem-restauro05
imagem-restauro06

 O suntuoso edifício do final do século XIX nominado antigo Solar do Barão de Itapura é um patrimônio cultural de importância histórica e arquitetônica salvaguardada pelos Conselhos Municipal e Estadual de preservação por meio do tombamento integral da edificação. Em respeito às orientações e reflexões instruídas pelos processos de tombamento, as recomendações das Cartas Patrimoniais e os critérios técnicos reconhecidos e adotados internacionalmente pela Unesco, o Restauro do antigo Solar tem como objetivos centrais a preservação da memória cultural e do patrimônio construído, a fim de garantir o seu reconhecimento como elemento de referência da memória e identidade da sociedade campineira e o apogeu do ciclo cafeeiro no Brasil.

A ocupação inicial do edifício, como residência, sofre alteração no uso original para receber uma escola, a qual incorpora a seu uso auditório, biblioteca e sanitários. Essas alterações sucederam na adaptação de espaços desconsiderando a preservação dos elementos artísticos integrados ao patrimônio. Sabedores de que as transformações dos espaços arquitetônicos, reconhecidos como patrimônio histórico, com usos atuais diferentes da composição original, agregam valores histórico, artístico, social e humanitário à comunidade e seus mantenedores. (DOMINGUES, 2016, p.16), o Restauro repensa esses usos de maneira a zelar a conservação do patrimônio equalizado a demanda de ações carentes nessa área urbana.

Pensando nessa reciclagem de uso e zelo ao patrimônio, o Restauro propõe a remoção dos elementos posteriores que esbarram no valor agregador à obra de arte, o edifício tombado, e o resgate pela leitura do objeto fim de orientação ao tombamento, à leitura de um Solar. Destaca-se, então, o resgate das varandas, a construção de um anexo com sanitários e garantia de circulação vertical e acessibilidade universal, e a salvaguarda das pinturas decorativas ímpares do final do século XIX.

O Restauro também foi planejado e equiparado às diretrizes da Lei nº 10.850 de 7 de junho de 2001, com destaque ao item dez “estímulo à atividade
turística que valorize os atributos naturais, arquitetônicos, históricos ou culturais da região, com base em planejamento voltado à preservação e à estruturação necessária para o desenvolvimento de tal atividade”.

CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS E O RESTAURO

O edifício foi construído, inicialmente, em alvenaria de tijolos maciços presentes quase que em sua totalidade tanto nas paredes externas como internas. O embasamento das alvenarias é misto, emprega tijolos maciços e pedras, esta segunda predomina seu emprego na região perimetral do edifício. O método construtivo diminui sensivelmente problemas com umidade ascendente e conforto térmico, portanto, será mantido e salvaguardado. As paredes do edifício são autoportantes de tijolos maciços, com assentamento em amarração de um tijolo, revestidos em argamassa.

As fachadas seguem o estilo arquitetônico neoclássico italiano, são compostas por embasamento, corpo e entablamento, sendo que, a fachada frontal, apresenta maior riqueza de ornamentos, pela própria função receptiva. O desenho de planta do antigo Solar dispunha de um conjunto de varandas ou solares, duas na fachada frontal e uma terceira aos fundos. Tais varandas, devido alterações de uso e ampliação de áreas foram fechadas, o Restauro resgata a leitura dos solares. Há uma composição de janelas e portas balcão em madeira, ambas de folhas duplas, com abertura simples, estas serão mantidas e conservadas. Já alguns novos caixilhos foram incorporados à edificação, em substituição ao material original, são em ferro, estes serão removidos e há propositura por nova leitura padronizada.

A cobertura é composta por estrutura de tesouras, caibros e terças em madeira, cobertas com telhas cerâmicas tipo francesa. O conjunto de panos que constituem a cobertura será restaurado e o sistema de calhas e condutores sofrerão intervenções para plena função.

Internamente há uma mistura de forros, partes em estuque ou madeira. Há, também uma subdivisão dos forros em estuque, uns apresentam pinturas decorativas em todo pano, outros, pinturas decorativas nas bordas, formando molduras e, ao centro, medalhões. Os forros de estuque e suas pinturas decorativas serão restaurados.

As mesmas diversidades de materiais podem ser vistas nos pisos. Há áreas com soalhos, marchetaria, mármore e cerâmica vermelha. Todas as peças serão mantidas e restauradas. As paredes, por meio de prospecções pictóricas, exibem pinturas decorativas. Outro detalhe relevante é a existência de pinturas decorativas nas paredes externas voltadas para o pátio interno. Todo elemento decorativo será mantido e salvaguardado.

A UTILIZAÇÃO DO SOLAR RESTAURADO E SEU LEGADO PARA CAMPINAS

O Solar do Barão de Itapura sobreviveu ao tempo e é imensurável o seu valor histórico. De residência o espaço passou a ser lugar de produção acadêmica e o jardim do Barão, conhecido como o Pátio dos Leões, palco de intensa atividade estudantil.

Refletir sobre a sua preservação e que uso se dará ao monumento após o Restauro é de extrema importância.

O centro urbano de Campinas está associado às primeiras tentativas de ocupação e organização do homem no território ocupado pela cidade. Prontamente, essa área, angariou a concentração de inúmeras obras e monumentos que refletem o histórico da origem e trajetória da cidade. A permanência desses vestígios e monumentos não significa a promoção exacerbada do passado ou sua evocação saudosista, mas sim, garantir o direito de preservação e salvaguarda da memória coletiva dos campineiros.

Os elementos estéticos, a riqueza dos detalhes, e as técnicas empregadas nesse tipo de construção, vão muito além da materialidade das paredes. O ícone da imagem, o que se vê através de uma fachada, não revela o que se esconde por detrás dos seus portões. O conhecimento e as técnicas empregados na elaboração e confecção da obra incluem aspectos singulares, como o uso de adornos imponentes, afrescos, janelas, grades, portões e jardins, repletos de
informações sobre a forma de organização social e distribuição de espaço.

Além de chamarem a atenção pela estrutura, trazem elementos da prova documental, dos recursos e matérias-primas utilizadas para a construção em uma determinada época. Logo, o Solar do Barão de Itapura não se resume apenas à esfera da decoração e do embelezamento. Para, além disso, deve-se compreendê-lo também como uma importante fonte sobre o mundo do trabalho e das tradições culturais da Campinas da segunda metade do século XIX.

O Solar não viverá apenas do passado, pois, ao promover o Restauro, a PUC-Campinas promoverá importante função social. Feito o Restauro, ao Solar será dada uma destinação eminentemente cultural, não apenas aos membros da Universidade, mas a toda a sociedade de Campinas e região propiciando enriquecimento cultural à população, promovendo o turismo, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e garantindo dignidade cultural à sociedade em geral.

O Solar do Barão de Itapura, reconhecido como patrimônio histórico e cultural pelo CONDEPACC e CONDEPHAAT, passará a ser, após o Restauro, muito mais do que o registro histórico do passado, mas, também, um lugar de valor socioeducativo já que seu espaço, por meio de uma ocupação consciente, será usufruído por toda a população, que se transformará na principal beneficiária das atividades educativas museais, patrimoniais e artísticas.

O Restauro do Solar e a adequação do seu espaço físico às atividades de arte, cultura e lazer deixarão ainda o espaço em harmonia com as novas tendências de requalificação do centro de Campinas, sendo um projeto indutor da valorização do entorno e do conjunto de imóveis inseridos ao seu redor.

foto-vista-aerea-campinas
imagem-restauro06

QUERO APOIAR

Diante da responsabilidade cultural que a legislação orienta, a preservação do patrimônio cultural é uma obrigação de toda a sociedade civil. A PUC-Campinas se apresenta como promotora da campanha para o Restauro e convida os cidadãos e as empresas que queiram exercer a sua responsabilidade cultural a se engajar nessa ação.

SE VOCÊ É PESSOA FÍSICA

  1. CROWDFUNDING (ou financiamento coletivo)

Qualquer pessoa física pode apoiar o restauro participando da campanha de financiamento coletivo promovido pela PUC-Campinas. A campanha, em andamento, tem como objetivo as obras emergenciais para a recuperação da cobertura do Solar que está orçado em R$ 2.027.965,00.

Mais informações:
Alcino Ricoy Junior
(19) 3343-7696 / (19) 99235-1666
restauro@puc-campinas.edu.br

SE VOCÊ É PESSOA JURÍDICA

  1. CROWDFUNDING (ou financiamento coletivo)

A campanha, em andamento, tem como objetivo as obras emergenciais para a recuperação da cobertura do Solar que está orçado em R$ 2.027.965,00.

  1. Doação com Isenção no ICMS

PROAC – Programa estadual de incentivo a cultura do Governo do Estado de São Paulo

O Proac ICMS funciona por meio de incentivos fiscais. O projeto do restauro do Solar do Barão de Itapura está em análise na Secretaria de Estado da Cultura e aguarda autorização para captar patrocínio junto a empresas que descontam o valor doado do ICMS devido. O processo é simples e toda a orientação é feita pela PUC-Campinas.

O abatimento é de 100% do valor doado até o limite de 3% do ICMS devido.

  1. Doação com Isenção no Imposto de Renda – Lei Rouanet

PRONAC – Programa Nacional de Apoio à Cultura – Lei 8.1313/91

Instituído em dezembro de 1991, com a promulgação da Lei nº 8.1313/ 91, também conhecida como Lei Rouanet visa apoiar e direcionar recursos para investimento em projetos culturais.

É destinada a toda empresa que faça sua declaração de Imposto de Renda pela modalidade de Lucro Real. O processo é muito simples e toda a prestação de contas é feita diretamente pela PUC-Campinas.

A lei permite ao contribuinte o abatimento de 100% do imposto de renda dos valores destinados ao apoio, até o limite de 4% do imposto devido.

Perguntas frequentes sobre o crowdfunding

1. O que significa “crowdfunding” ou financiamento coletivo?

O financiamento coletivo, traduzido do inglês “crowdfunding”, descreve o ato de arrecadar contribuições por intermédio da internet para campanhas diversas nas áreas de cultura, filantropia, caridade, artes, entre outros.

2. Para o que estou contribuindo?

A restauração do Solar do Barão de Itapura terá várias etapas. Nesta campanha você estará contribuindo para a primeira fase referente às obras de emergência da recuperação da cobertura do edifício, fundamental para que o restante do trabalho possa ter prosseguimento.

3. Como posso contribuir com a campanha?

  • Leia atentamente sobre a campanha para a restauração do Solar do Barão de Itapura navegando na nossa página na internet;
  • Decida o valor que quer doar com base nas suas possibilidades ou na recompensa que quer receber;
  • Efetive a sua doação com o seu cartão de crédito, débito ou boleto;
  • Ajude-nos a movimentar a campanha compartilhando com seus amigos e conhecidos.

4. Qual o prazo de duração da campanha?

O prazo previsto é de cinco meses ou até que a meta desta primeira fase seja atingida, o que ocorrer primeiro.

5. Quando irei receber a minha recompensa?

Atingida a meta da campanha todos os doadores serão contatados para acertar o envio das recompensas, quando for o caso. Caso a meta não seja atingida os doadores serão informados sobre o término da campanha e o prazo de entrega das recompensas.

6. Onde irei receber a minha recompensa?

Você receberá um e-mail da PUC-Campinas solicitando o preenchimento total dos seus dados na plataforma, incluindo-se aí o seu endereço. Ele será o local onde a recompensa será entregue.

7. Se houver algum problema com a minha doação o valor é estornado?

Os valores são cobrados no ato da contribuição, mas, caso haja algum problema ou divergência, o valor será estornado ao doador.

8. Como posso contribuir com a campanha?

É rápido e fácil! Basta clicar em “Contribuir”, O valor mínimo é de R$ 100,00 e o valor máximo é de R$ 48.425,00, para cada doação. Estes valores estão dentro do limite máximo para isenção de impostos. Veja mais informações sobre a regra no site da Receita Federal: http://www.receita.fazenda.gov.br/.

9. Posso contribuir mais de uma vez?

Sim. Você pode contribuir quantas vezes quiser. Nesse caso a recompensa será definida pela soma das contribuições efetuadas no período da campanha.

10. Posso contribuir com outro valor

Sim. Existe a opção de doar um valor diferente daqueles sugeridos pela campanha. Nesse caso a recompensa será sempre considerada com base na faixa inferior da contribuição. Por exemplo: se você quiser doar R$ 150,00 a recompensa será atribuída com base no valor de R$ 100,00.

11. Posso abrir mão da recompensa?

Sim. Você pode apenas fazer a contribuição e, se não desejar receber a recompensa, terá a opção de marcar essa alternativa, no ato da contribuição.

12. Quais são as formas de pagamento?

Os pagamentos são realizados com cartão de crédito, débito ou boleto. Caso queira parcelar sua contribuição em até seis vezes faça contato pelo e-mail restauro@puc-campinas.edu.br e um representante da PUC-Campinas retornará para finalizar a sua doação.

13. Minha contribuição pode ser abatida do Imposto de Renda?

Não. As contribuições feitas para este projeto não são dedutíveis do imposto de renda.

14. É seguro fazer as contribuições pela internet?

Temos implementado em nosso site o sistema SSL de segurança de rede, presente em todas as páginas onde existe envio de dados. Utilizamos o AlphaSSL que é um Certificado Digital de Validação Completa, dando mais segurança aos nossos apoiadores.

15. Qual a caracterização financeira para as contribuições?

As contribuições feitas não são empréstimos ou investimentos. Elas são classificadas como doação e as recompensas não são caracterizadas como retorno financeiro.

16. Fiz uma doação e ainda não apareceu nada na plataforma. O que aconteceu?

A sua doação pode demorar um pouco para ser efetivada. De acordo com o padrão mundial, pagamento através de cartões de crédito poderá ter um prazo de 48 horas para ser efetivado, enquanto por boleto poderá levar de 1 a 2 dias úteis após o seu pagamento. Se após esse prazo, seu apoio não tiver sido efetivado na plataforma da campanha, cheque com o seu banco se o débito realmente foi processado. Se a resposta for positiva, entre em contato com a PUC-Campinas pelo e-mail restauro@puc-campinas.edu.br e reporte o erro. Se a resposta do seu banco for negativa, envie sua doação pelo nosso site mais uma vez, com toda a segurança.

17. Outras pessoas podem ver minha doação?

Apenas se for do seu interesse. Isso poderá ser alterado no momento da sua contribuição. Você poderá optar para que sua doação seja Normal (quando aparecerá seu nome, valor doado e data), ou Anônima (não mostrará seu nome) e ainda existe a opção de “Esconder valor” (selecionando esta opção, o valor doado não ficará visível para o público).

18. Será emitido um certificado referente à minha doação?

O certificado correspondente será emitido pela PUC-Campinas em favor do contribuinte, no ato da confirmação da transação.

19. Se eu tiver ainda alguma dúvida para onde eu posso ligar?

Ligue para a PUC-Campinas no telefone (19) 3343.7281 das 08h00min às 17h00min horas, de segunda a sexta-feira ou envie um e-mail para restauro@puc-campinas.edu.br

RESTAURO EM NÚMEROS

38 Doações

Valor arrecadado: R$ 23,000.00

NOTÍCIAS DO RESTAURO

VÍDEOS DO RESTAURO

PALAVRA DA REITORA

foto-reitora-profa-angela

É com muita alegria que noticiamos o início das obras de restauro do Solar do Barão de Itapura, edifício salvaguardado pelos Conselhos Municipal
e Estadual de preservação.

Já há alguns anos a PUC-Campinas planeja uma nova história para o Solar. Foi nele que assistimos ao crescimento e à transformação urbana da
cidade de Campinas e ao desenvolvimento da nossa Universidade. Esse edifício do final do século XIX marcou a história da cidade e das personagens que habitaram, estudaram e trabalharam em seu interior.

Acreditamos que a sustentabilidade e a responsabilidade com a cultura, como práticas que visam à manutenção adequada do patrimônio cultural, são deveres da sociedade civil, ideia com a qual compartilhamos.

Por meio do restauro do Solar, a PUC-Campinas, pelos seus 75 anos de existência e pela história que vem imprimindo na cidade, apresenta-se como fomentadora das práticas preservacionistas da memória cultural e histórica da cidade de Campinas.

Restaurado o Solar e adequada sua estrutura física às atividades de arte, cultura e lazer, ficará esse espaço em harmonia com as novas tendências de
requalificação do centro de Campinas, promovendo a valorização do entorno e do conjunto de imóveis inseridos ao seu redor.

Assim, a PUC-Campinas convida toda a sociedade a participar do processo do restauro do Solar do Barão de Itapura, visto que essa atitude tem por
objetivo a proteção do patrimônio histórico, cultural e imaterial da cidade de Campinas, constituindo-se verdadeira função social.

Após o restauro, dando-se ao patrimônio destinações eminentemente educacionais, artísticas e culturais acessíveis a todos, estaremos zelando pelo enriquecimento cultural da cidade, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e garantindo a dignidade cultural a todos os cidadãos.

Profa. Dra. Angela de Mendonça Engelbrecht
Reitora