Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Contatos oficiais Área do aluno

Sobre

Centro de Estudos Africanos e Afro-Brasileiros Dra. Nicéa Quintino Amauro (CEAAB-PUC-Campinas) é uma unidade institucional da Pontifícia Universidade Católica de Campinas,  integrada pela comunidade acadêmica interna e pela sociedade civil organizada, representada pelo Movimento Negro de Campinas, que, ciente do racismo estrutural presente na sociedade contemporânea, busca ampliar o diálogo com as diferentes comunidades, estabelecendo parcerias que visam à transformação da cultura racista vigente, motivo pelo qual torna público o compromisso de:

  • Disseminar conhecimento;
  • Enfrentar o racismo institucional, a discriminação racial e intolerâncias correlatas;
  • Desenvolver ações afirmativas de combate ao racismo e em respeito à diversidade cultural.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Propor, implementar, executar e avaliar ações para a educação étnico-racial nos âmbitos do Ensino, da Pesquisa e da Extensão.

História

O CEAAB-PUC-Campinas foi inaugurado em 23 de agosto de 2023, data que marca o Dia Internacional em Memória do Tráfico de Escravos e sua Abolição, num evento organizado com apoio dos departamentos vinculados diretamente à Reitoria da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, do Centro de Referência em Direitos Humanos na Prevenção e Combate ao Racismo e Discriminação Religiosa, da Frente  Regional de Combate ao Racismo e todas as Formas Conexas de Discriminação de Campinas e região, e de diversas frentes do Movimento Negro de Campinas.

O CEAAB foi constituído a partir de esforços de docentes e discentes comprometidos com a luta antirracista, que, desde 2018, se reuniam para estabelecer um protocolo permanente de igualdade racial.

Organização Funcional

A estrutura do CEAAB da PUC-Campinas está integrada às Pró-Reitorias de Graduação; Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão; Educação Continuada; Inovação; e Gestão de Pessoas e Serviços Compartilhados.

O CEAAB conta com uma Coordenação, auxiliada por um Conselho Consultivo que integra os seguintes representantes:

  • Docentes da PUC-Campinas;
  • Discentes da Graduação e da Pós-Graduação da PUC-Campinas;
  • Sociedade Civil;
  • Centro de Referência ao Combate da Intolerância Religiosa de Campinas.

Educação / Formação

A educação para as relações étnico-raciais é um dos temas prioritários para o CEAAB. Entendemos que o processo de educação ocorre a todo o tempo e se aplica aos mais diversos espaços. No entanto, como pondera Nilma Lino Gomes, o processo educativo, dependendo do discurso e da prática desenvolvida, “pode se incorrer no erro da homogeneização em detrimento do reconhecimento das diferenças” (GOMES, 2001, p. 86). O CEAAB, ao conceber o conceito e o processo da educação para emancipação social na e para a diversidade, inclina-se para o desenvolvimento de práticas formativas num contexto de inserção das coletividades negras nos espaços sociais, enquanto imperativo desafio de romper com o silêncio sobre o debate da educação a serviço da diversidade, afirmação e revitalização da autoimagem do povo negro.

As ações formativas propostas para lidar com as tensas relações produzidas pelo racismo e discriminações nas relações entre diferentes grupos étnico-raciais se dão em duas direções: a primeira volta-se para a contínua formação da comunidade acadêmica (discentes, docentes, gestores, funcionários) e a segunda é voltada para as comunidades externas, tanto educacionais quanto corporativas.

A partir de ambas as ações formativas, pretende-se estabelecer interlocuções entre a experiência, a literatura e autores especializados, com vistas à promoção da consciência acerca da realidade sobre o racismo, preconceito, discriminação e ampliação do repertório teórico-conceitual para o enfrentamento dessas questões na sociedade, na escola e nas corporações.

Diálogos sobre Racismo

No encontro dialógico, não “[…] há ignorantes absolutos, nem sábios absolutos, há homens [e mulheres] que, em comunhão, buscam saber mais” (FREIRE, 1983, p. 95)

O Projeto “Diálogos sobre o Racismo” é uma ação iniciada em 2020, criado em parceria com o Centro de Referência em Direitos Humanos na Prevenção e Combate ao Racismo e Discriminação Religiosa e a Frente Regional de Combate ao Racismo e todas as Formas Conexas de Discriminação em Campinas e Região, visando ampliar o debate público sobre o racismo com a sociedade a partir de interação com autores especialistas da comunidade negra, com produções científicas nas mais diversas áreas do conhecimento, visando a um envolvimento maior das comunidades interna e externa da PUC-Campinas, demarcando o posicionamento institucional frente às formas de violência geradas pela discriminação étnico-racial.

 A partir da repercussão positiva das lives e das apresentações dos Grupos Culturais, no período entre 2020 e 2021, que trouxeram a discussão sobre a diversidade com a riqueza dos saberes ancestrais, a PUC-Campinas, a Frente Regional de Combate ao Racismo e Todas as Formas Conexas de Discriminação de Campinas e Região, da qual fazem parte diversos organismos do movimento negro, e o Centro de Referência em Direitos Humanos na Prevenção e Combate ao Racismo e Discriminação Religiosa da Prefeitura Municipal de Campinas congregaram esforços com o compromisso de dar prosseguimento às atividades de forma presencial, voltadas para os públicos interno e externo, promovendo o avanço na produção de conhecimentos com pessoas que compartilham, estudam ou já estudaram sobre a temática étnico-racial, implementando o Centro de Estudos Africanos e Afro-Dra. Nicéa Quintino Amauro (CEAAB), a partir de 2023.

OBJETIVOS

  • Propiciar espaços de discussão interdisciplinar sobre as várias faces do problema do racismo vivido nas diversas esferas sociais.
  • Possibilitar momentos de profunda reflexão sobre a questão étnico-racial, por meio do diálogo entre alunos, pesquisadores, organismos públicos e participantes de movimentos sociais envolvidos com a luta pelos direitos da população negra.

Formação

Grupo de Estudos Interativos – Conversas Dialógicas

A criação de Grupos de Estudos Interativos – Conversas Dialógicas prevê a atuação do CEAAB no contato, interlocução e formação docente, discente e da sociedade civil por meio de ações que contribuam para a formação humana, para uma educação voltada para a igualdade das relações étnico-raciais, de gênero, de combate aos conflitos, discriminações e violências, e valorização das múltiplas existências humanas, numa perspectiva interdisciplinar, dialógica, reflexiva e empática.

A metodologia proposta para o desenvolvimento dos Grupos de Estudos está pautada no diálogo, no tempo da escuta e da fala, princípios democráticos da comunicação dialógica entre os seres humanos. Na metodologia proposta para as pautas dos Grupos de Estudos Interativos – Conversas Dialógicas, não há espaço para imposições e autoritarismo intelectual, pois todos os participantes interagem, possuem protagonismo, aprendem entre si e caminham juntos, adotando uma postura efetiva na produção e problematização do conhecimento.

Na teoria dialógica freireana, os sujeitos se encontram para conhecer e transformar o mundo em colaboração. O diálogo, que é sempre comunicação, funda a colaboração que se realiza entre sujeitos. (FREIRE, 2007, p. 47).

Repositório Digital

TCCs, teses e dissertações sobre questões étnico-raciais.

Acontece

Vídeos

Na Mídia

TV CÂMARA CAMPINAS
CÂMARA NOTÍCIA – TERRITÓRIOS DE RESISTÊNCIA NEGRA – CEEAB 24-11-2023

REVISTA ENSINO SUPERIOR
FORMAÇÃO EM RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS

Formação nas relações étnico-raciais