Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2021

Tema: “50 anos do Golpe Militar: Memória, Jornalismo e Resistência"

 

A Faculdade de Jornalismo realiza no dia 23 de abril, nos períodos matutino e noturno, a Jornada de Jornalismo 2014, com o tema “50 anos do Golpe Militar: Memória, Jornalismo e Resistência”. As atividades, abertas ao público, ocorrem no Auditório D. Gilberto, no Campus I.

Pela manhã, a partir das 8h, o palestrante será o sociólogo e professor da Faculdade de Ciências Sociais da PUC-Campinas Arnaldo Lemos, que vai contextualizar o período ditatorial a partir da produção cultural dos anos 60 e 70. Após a palestra, haverá a exibição do curta-metragem “Cadeira do Dragão”, documentário produzido em 2008 como Projeto Experimental pelas ex-alunas Lívia Moreti Mota, Janaína Souza Nascimento, Marisa de Oliveira e Priscilla Beatriz Bellini. Cadeira do Dragão é o nome de um instrumento de tortura usado para tirar confissões dos presos políticos. O documentário conta os dramas de alguns ex-presos políticos que tiveram de enfrentar esses e outros métodos de violência durante aquele período.

Às 19h20, será a vez do jornalista Audálio Dantas, diretor do Sindicato dos Jornalistas no período da Ditadura Militar e autor do livro “As Duas Guerras de Vlado Herzog”, publicado pela editora Civilização Brasileira. Dantas vai abordar como o jornalismo, mesmo sob censura, exerceu a resistência em relação aos governos ditatoriais. Ele também vai abordar o processo de produção do livro que conta a trajetória de Vlado Herzog, jornalista morto pela Ditadura em 1975. A atividade integra o Projeto Leitura, desenvolvido pela Faculdade de Jornalismo. Alunos de todos os semestres estão lendo o livro de Dantas, trabalhado em várias disciplinas como forma de incentivar a leitura e oferecer subsídios para a compreensão de um dos mais importantes períodos da história brasileira.

“O jornalista deve refletir sobre o passado para que possa compreender e atuar no presente. Fazer memória dos anos de ditadura é uma forma de homenagear aqueles que foram injustiçados e também reconhecer a importância do jornalismo para a democracia”, explica Lindolfo Alexandre de Souza, diretor da Faculdade de Jornalismo.



Portal Puc-Campinas
22 de abril de 2014