Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2021

Os troncos petrificados foram localizados em sete cidades do interior de São Paulo

 

O professor da Faculdade de Ciências Biológicas da PUC-Campinas, Rafael Souza de Faria, juntamente com a professora do Instituto de Geociências da Unicamp, Fresia Ricardi Branco, analisou a diversidade de coníferas fósseis, similares às araucárias e aos pinheiros atuais, identificando quais árvores estavam presentes no estado de São Paulo em dois momentos do período geológico Permiano, há aproximadamente 270 milhões de anos. No período Permiano houve a formação do supercontinente Pangeia (quando a Terra era formada por um único continente), no qual ainda não era registrada a presença dos dinossauros.

 

Segundo Faria, foram coletados troncos petrificados (o termo mais comum entre os especialistas é “permineralizados”) de sete localidades do estado de São Paulo: Piracicaba, Saltinho, Rio Claro, Santa Rosa de Viterbo, Angatuba, Conchas e Laras. “Além de trabalhar com a identificação de como se compunha essa vegetação que existia no estado de São Paulo, num momento em que os continentes sul-americano e africano ainda estavam conectados e as florestas ainda não possuíam elementos de angiospermas (plantas que dão frutos e flores), estudamos ainda a fenologia foliar das árvores. A fenologia foliar diz respeito ao tempo de duração das folhas, se tais espécies perdem as folhas (espécies decíduas) ou se as conservam (espécies perenes). Essas interferências foram feitas a partir de análise de anéis de crescimento, que, além disso, ainda indicam por quanto tempo cresceu o ramo em questão”, disse o professor.

 

Durante os estudos, o professor também encontrou proliferação de fungos nos lenhos (peça de madeira cortada da árvore). A descoberta, considerada inédita no Brasil, retrata, segundo Faria, um momento de “tempos difíceis”. “A presença de fungos em madeiras fósseis é rara. Sugere-se, portanto, um colapso dos ecossistemas, o que indica que no período Permiano as condições para o desenvolvimento das coníferas não eram boas”, explica.

 

As descobertas são fruto da tese de doutorado do professor Rafael Souza de Faria pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Um dos artigos da tese foi recentemente aceito com modificações no periódico Review of Palaeobotany and Palynology.

 

Conjuntamente com a orientadora de sua tese, Faria ainda publicou recentemente um artigo no periódico Palaeontology sobre algas do mesmo período das coníferas estudadas no doutorado; algas carófitas e que são algas ancestrais de todas as plantas terrestres.



Portal Puc-Campinas
15 de agosto de 2013