Observatório PUC-Campinas
Observatório
PUC-Campinas
Facebook
Central de
Atendimento
ao Aluno
foto-premio-herzog

Egresso de Jornalismo é finalista do Prêmio Vladimir Herzog

Importante premiação, entregue desde 1979, incentiva denúncias contra a violação dos direitos humanos

O fotógrafo Luciano Claudino, egresso da Faculdade de Jornalismo da PUC-Campinas, participa nesta quinta-feira, dia 11 de outubro, do “40º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos”, ao qual concorre com uma fotografia tirada em março deste ano durante manifestação do Dia das Mulheres.

A imagem, utilizada como ilustração na reportagem do portal ‘ACidade ON Campinas’, registra a prisão de uma mulher que acompanhava a passeata na Avenida Francisco Glicério, no centro da cidade. “A jovem foi acusada de ter pichado o muro de uma agência bancária, foi colocada dentro da viatura e uma confusão começou. Fiz a foto e consegui mostrar o olhar dela diante daquele fato. Depois de receber muitas mensagens nas redes sociais, percebi que tinha feito algo bom”, relatou o jornalista, formado em 2009 na Universidade.

No total, mais de 600 trabalhos foram inscritos na premiação de 2018, que incluem produções jornalísticas de diversas categorias: arte, texto, áudio, vídeo e multimídia, além de fotografia, na qual Luciano é finalista junto a outros cinco profissionais, que tiveram seus cliques inseridos em matérias de veículos representativos na imprensa brasileira, como Estadão e Exame.

“É uma vitória imensa, pois, além de poder expor um trabalho que exalta a força das mulheres, vou estar ao lado dos maiores fotojornalistas no país. A expectativa é grande”, completou.

Foto Luciano Claudino - Prêmio Herzog

 Prêmio Vladimir Herzog

 O tradicional Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, concedido aos profissionais e veículos de comunicação desde 1979, reconhece as produções que se destacam na defesa da democracia, da cidadania e dos direitos humanos sociais.

A premiação carrega o nome do ex-jornalista da TV Cultura, assassinado em 1975 após ter sido acusado de ligações com o Partido Comunista Brasileiro, durante o regime militar. Até hoje, ele é considerado um personagem icônico na história do Brasil e da construção da democracia no país.


Pesquisar

Veja também

20 Projetos de Iniciação Científica e Tecnológica e de Extensão são premiados

Presidente da OAB Campinas considera o Mestrado em Direito um marco para a cidade

Lista de aprovados no Vestibular 2019 para o Curso de Medicina

Processo Seletivo de Teologia – 1º semestre de 2019

Premiação dos Projetos de Iniciação Científica e Tecnológica e de Extensão