Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2021

A importância da saúde bucal em tempos de pandemia

Um grupo de professores e pesquisadores da PUC-Campinas elaborou a cartilha “Orientação odontológica em tempos de Covid-19”

Todos sabem que medidas de higiene ajudam a prevenir a propagação do coronavírus. Considerando que a boca é uma das principais vias de contaminação, a sua higienização é essencial para reduzir a quantidade de vírus e possivelmente diminuir a sua disseminação. Foi pensando em informar as pessoas sobre a importância desses cuidados que um grupo de professores e pesquisadores que compõem a força-tarefa PsicoVida, da PUC-Campinas, elaborou a cartilha “Orientação odontológica em tempos de Covid-19”, com recomendações para a prevenção da doença a partir da proteção da saúde bucal.
Clique aqui para baixar a cartilha
A par da série de desafios impostos pela covid-19 a gestores da saúde e à comunidade científica, especialmente no que diz respeito ao desenvolvimento de medicamentos para tratar a doença e de uma vacina capaz de conferir imunidade contra o vírus, já se sabe que a sua transmissão acontece de forma similar a outras doenças respiratórias, ou seja, por gotículas respiratórias expelidas durante a fala, tosse e espirro; pelo contato direto com as pessoas infectadas ou pelo contato indireto, por meio das mãos, objetos ou superfícies contaminadas. A boca é, portanto, uma via de contágio de grande relevância, tanto como emissora de gotículas, como receptora de vírus provenientes do contato. Ela pode ser também um reservatório para esses microrganismos. Por isso, a higienização bucal é essencial para reduzir a quantidade de vírus e possivelmente diminuir sua contaminação.
A cartilha, criada por um grupo de cirurgiões-dentistas do Programa de Pós-Graduação do Mestrado em Ciências da Saúde da PUC-Campinas em parceria com outra instituição, traz orientações nesse sentido. “Nosso objetivo foi contribuir para que a população tenha mais informações para conter a disseminação do vírus a partir dos cuidados com a saúde bucal”, contou o Dr. Sérgio Luiz Pinheiro, coordenador do Programa de Mestrado em Ciências da Saúde da PUC-Campinas.
A saúde da boca está diretamente relacionada com o nosso bem-estar geral. É por meio da higienização correta e frequente que reduzimos o biofilme dentário e, consequentemente, o volume de microrganismos, como bactérias, vírus e fungos presentes na boca. Doenças como cárie e gengivite podem ser evitadas por meio da escovação e uso do fio dental. “Se a pessoa negligencia esses cuidados, essas doenças podem evoluir para problemas mais graves, como infecções no canal do dente, bacteremia (presença de bactérias no fluxo sanguíneo) ou, em alguns casos, para um quadro infeccioso generalizado, ou septicemia. Ao higienizar a boca corretamente e com frequência, você reduz as bactérias que estão na boca e previne problemas sistêmicos que elas poderiam causar”, explicou Pinheiro.
Ainda segundo ele, no caso da covid-19, já existem estudos mostrando que uma pessoa que testou positivo para o vírus apresenta alto nível de contaminação na saliva. “A higiene oral, de forma regular, é sempre fundamental, mas especialmente importante no combate à covid-19, já que pode reduzir a quantidade de vírus e, consequentemente, o risco de contágio”, aponta o cirurgião-dentista da PUC.
Medidas simples, como escovação e uso do fio dental, reduzem a carga viral, isto é, são capazes de remover mecanicamente bactérias e também o coronavírus. O enxaguatório bucal é um recurso adicional, além da remoção mecânica com escova e fio dental, porque ele tem substâncias com ação antimicrobiana, que ajudam na redução do biofilme dentário. “Com a correta higienização da boca, as chances de o vírus chegar às células pulmonares, principais alvos da doença, são reduzidas”, afirmou Pinheiro.
Além dos cuidados com a limpeza bucal, a cartilha traz recomendações para separar objetos pessoais, como escova e pasta de dente, sabonete e toalhas, no caso de alguma pessoa da casa estar com sintomas da covid-19 ou suspeita de infecção.
No caso das crianças, os cuidados são parecidos com os dos adultos, mas considerando que a formação de cáries está relacionada à ingestão de açúcares e carboidratos, associada à má ou não escovação, é importante que os pais estejam atentos, porque, estando em casa, elas acabam comendo mais vezes. Assim, é importante que as crianças tenham uma rotina de escovação três vezes ao dia, com uso do fio dental uma vez, preferencialmente antes de dormir.
Para os dentistas
Dentre os profissionais da área de saúde, os dentistas estão entre os que têm maior risco de contaminação ao realizarem suas atividades, especialmente em procedimentos que gerem os aerossóis, isto é, a suspensão de micropartículas sólidas ou líquidas no ar, que podem ficar flutuando por longo período de tempo. Esse material pode ser fonte de contaminação pelo coronavírus. “É fundamental que todo profissional obedeça ao protocolo de atendimento, para evitar o risco de comprometer o consultório, contaminar outros pacientes e ele mesmo”, alerta Pinheiro.
Seguindo as recomendações do Conselho Federal de Odontologia (CFO) e do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (Crosp), a cartilha orienta que os profissionais limitem os atendimentos nos consultórios a casos de urgência. Por exemplo, dor de dente que não cessa com analgésicos, troca de curativos, infecção bacteriana que causa dor e inchaço, fratura de dente com algum trauma nos tecidos moles (gengiva, bochecha, língua), cárie extensa que cause dor, cortes ou ajustes de fios em aparelhos ortodônticos que estejam machucando a boca.
O dentista deve perguntar ao seu paciente se, nos últimos 14 dias, apresentou sintomas como: febre, problemas respiratórios, se teve contato com alguma pessoa infectada ou suspeita ou com muitas pessoas desconhecidas em algum evento, reunião etc. É importante, ainda, verificar a temperatura do paciente no consultório. Apenas se estiver com a temperatura normal e responder não para todas as perguntas, o profissional deve continuar o atendimento, adotando medidas de proteção reforçadas.
Por Patricia Mariuzzo



Marcelo Andriotti
11 de maio de 2020