Mescla
Mescla
Observatório PUC-Campinas
Observatório
PUC-Campinas
Facebook
Central de
Atendimento
ao Aluno

Universidade faz parceria com empresa para financiamento de pesquisas

Estudantes vão pesquisar polímeros reforçados com fibras que podem substituir uso de aço em concreto

A PUC-Campinas e a empresa Haizer assinaram um convênio na manhã de quinta-feira (30/01) para o desenvolvimento de pesquisas sobre polímeros reforçados com fibras para estruturas de concreto. Uma série de testes e avaliações será feita por pesquisadores e alunos do Curso de Pós-Graduação em Sistemas de Infraestrutura Urbana da Universidade por um período de dois anos. As pesquisas, financiadas em parte pela empresa, devem começar em fevereiro.

Participaram da assinatura da parceria o Reitor Prof. Dr. Germano Rigacci Júnior, o Vice-Reitor Prof. Dr. Pe. José Benedito de Almeida David, o sócio administrador da Haizer, Marlos Gaio, a Pró-Reitora de Pesquisa e Pós-Graduação Profa. Dra. Alessandra Borin Nogueira e representantes da áreao.

O objetivo do trabalho conjunto é avaliar produtos que são alternativas mais resistentes e com baixo impacto ambiental para substituir o uso de aço em construções, pavimentações e outras aplicações.

As pesquisas serão divididas em três linhas distintas. Uma vai avaliar o comportamento mecânico dos materiais, outra analisará vigas e uma terceira ancoragens. Além das análises, deverão ser construídos protótipos nos laboratórios da Universidade. Atualmente, a Haizer importa esse material e comercializa para uso em obras no Brasil.

Os testes e análises que serão realizados na PUC-Campinas servirão como base para o desenvolvimento de materiais que serão produzidos no país em uma fábrica que a Haizer deve abrir em breve. “Nós importamos atualmente esse produto da Rússia, mas nossa intenção é ‘tropicalizar’ a tecnologia e implantá-la no Brasil”, disse Marlos.

Ele explicou que o material já é utilizado há mais de 30 anos no exterior em diversos tipos de obras. A vantagem é que ele é muito mais leve que aço, resiste a oxidações, não conduz eletricidade e tem um tempo de vida muito maior.

Por isso, é ideal para a utilização principalmente em construções em regiões litorâneas, onde a corrosão é maior. Por ser mais leve, ele também diminui o peso das estruturas das obras, resultando na redução do uso de outros materiais de sustentação na construção.

“Além de todas essas vantagens, há os ganhos ambientais, pois esse material com fibra de basalto ou de vidro não é tóxico e não polui o meio ambiente”, afirmou.

O Reitor Germano ressaltou a importância desse tipo de parceria com empresas, principalmente no desenvolvimento de projetos que unem inovação e sustentabilidade.




Pesquisar



Próximos eventos


maio
13
qua
19:30 Negócio de filho para pais
Negócio de filho para pais
maio 13@19:30 – jun 15@20:30
Negócio de filho para pais
Curso on-line gratuito: Negócio de filho para pais Início: 13 de maio Palestrantes (Facilitadores): Maurício Pinheiro e Tomas Sniker (Espaço Mescla); José Eduardo Azarite; José[...]
jun
5
sex
16:00 Live – Biodiversidade e covid-19...
Live – Biodiversidade e covid-19...
jun 5@16:00 – 16:45
Live - Biodiversidade e covid-19: o que uma coisa tem a ver com a outra? @ Canal da PUC-Campinas no Youtube
Com chancela da Organização das Nações Unidas (ONU), a PUC-Campinas realiza nesta sexta-feira (5), às 16h, no Youtube, uma live com a ecologista Marcela Conceição[...]

Estude na PUC-Campinas

Prorrogadas as inscrições e o início de aulas de 23 cursos de especialização

15ª Chamada de Lista de Espera de Medicina

11º Resultado: Remanejamento Interno, Transferência Externa e Ingresso de Portador de Diploma

Novo Vestibular 2020 (3º Edital de Vagas Remanescentes)

Primeira chamada do Processo Seletivo dos Cursos de Especialização

Veja também

PUC-Campinas e Arquidiocese lançam juntas site com ações de auxílio à população

As Perspectivas para o Turismo após a Pandemia

PUC-Campinas promove debate sobre biodiversidade e coronavírus no Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado em 5 de junho

Grupos da Universidade fazem série de apresentações on-line e o “PUC in Concert”

Mortes por coronavírus sobem 40% na RMC em meio à sinalização de flexibilização da quarentena