Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2021

RMC fecha 1º semestre com perda de 33 mil postos de trabalho

Quase metade das vagas fechadas ocorreu no município de Campinas; setores de serviço e comércio foram os mais afetados

Mais de 33 mil postos de trabalho foram fechados na Região Metropolitana de Campinas (RMC) no 1º semestre de 2020. A análise é do Observatório PUC-Campinas, que se debruçou nos dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED). No mês de junho, o saldo de empregos fechou negativo em 2.325 vagas, o menor registrado desde o início das ações de isolamento social.

A maior queda de emprego aconteceu no município de Campinas, responsável pelo fechamento de 15.627 postos, sendo 8,9% do total (1.395) apenas em junho, período que mostrou tendência de crescimento de vagas na construção civil e manutenção de reduções – embora menos intensa – nos setores da indústria, do comércio e de serviços, com exceção das atividades de informação e comunicação, que geraram 638 postos de trabalho em toda a região.

De acordo com a economista Eliane Rosandiski, as principais afetadas pelos ajustes no mercado de trabalho foram as mulheres, seja por conta da diminuição do emprego doméstico e também por conta-própria, seja por conta da intensidade das mudanças feitas nas atividades de serviços e comércio, cuja participação da força de trabalho feminina é bastante intensa. “Cabe dizer que, embora o saldo semestral de demissões seja equilibrado entre os gêneros, a baixa participação das mulheres no mercado torna tais ajustes mais fortes para esse público em termos relativos”, destaca.

Apesar de acentuado, o número de postos perdidos no semestre poderia ter sido pior: segundo o informativo do Observatório PUC-Campinas, a adesão de empresas à flexibilização do contrato de trabalho, em concordância com a lei 12.040, resultou em mais de 380 mil acordos e preservou cerca de 40% dos empregos no semestre. “A questão é que essa modalidade de flexibilização é por prazo determinado. O desafio é saber se a economia irá se recuperar, evitando movimentos de demissões mais intensos no segundo semestre”, pondera Eliane.

A docente extensionista indica, ainda, que as medidas adotadas para a preservação de empregos devem atrasar a retomada da economia, uma vez que as suspensões ou reduções de jornada de trabalho impactam diretamente o bolso do trabalhador, diminuindo seu poder de consumo. “A falta de preocupação com a elaboração de programas de manutenção de renda coloca em xeque o volume de demanda necessário para recuperar a economia de maneira mais efetiva no pós-pandemia”, avalia.

Observatório PUC-Campinas

O Observatório PUC-Campinas, lançado no dia 12 de junho de 2018, nasceu com o propósito de atender às três atividades-fim da Universidade: a pesquisa, por meio da coleta e sistematização de dados socioeconômicos da Região Metropolitana de Campinas; o ensino, impactado pelos resultados obtidos, que são transformados em conteúdo disciplinar; e a extensão, que divide o conhecimento com a comunidade.

A plataforma, de modo simplificado, se destina à divulgação de estudos temáticos regionais e promove a discussão sobre o desenvolvimento econômico e social da RMC.  As informações, que englobam indicadores sobre renda, trabalho, emprego, setores econômicos, educação, sustentabilidade e saúde, são de interesse da comunidade acadêmica, de gestores públicos e de todos os cidadãos.



Vinícius Purgato
29 de julho de 2020