Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2021

Nova encíclica do Papa Francisco defende fraternidade mundial

Nomeado “Fratelli Tutti”, documento foi divulgado no último domingo (4), Dia de São Francisco de Assis

O Papa Francisco divulgou no último domingo (4), Dia de São Francisco de Assis, a nova encíclica ‘Fratelli Tutti’, que defende a fraternidade e a amizade social como elementos para a construção de um mundo melhor, mais justo e pacífico. O Pontífice lembrou a crise sanitária global causada pela covid-19 para reforçar mensagem de que “ninguém se salva sozinho”, destacando o sentido do título “Todos Irmãos”, traduzido em português.

A carta encíclica é um documento pontifício, uma comunicação escrita pelo líder máximo da Igreja Católica (Papa), cujo objetivo é orientar lideranças religiosas e fiéis sobre assuntos que envolvem o bem-estar da sociedade. Nesta oportunidade, o Papa Francisco comenta os possíveis caminhos para o alcance da fraternidade nas relações cotidianas, na política e nas instituições.

Nos capítulos que compõem o documento, o Pontífice aponta diversos problemas sociais, como a manipulação e as deformações nos conceitos de democracia, liberdade e justiça; o egoísmo e a falta de interesse pelo bem comum; a prevalência de uma lógica de mercado baseada no lucro e na cultura do descarte; o desemprego, o racismo e a pobreza; a desigualdade de direitos e as suas aberrações como escravatura, o tráfico de pessoas, as mulheres subjugadas e o tráfico de órgãos. “Esses são problemas que requerem ações globais”, pontua o Papa Francisco.

Questões como o cuidado com os mais frágeis e vulneráveis, a paz entre as religiões, a ética das relações internacionais – trecho no qual cobra o compromisso dos países com o acolhimento de imigrantes –, a polarização política e a ameaça da produção de armas nucleares foram também temáticas abordadas pelo religioso na encíclica “Fratelli Tutti”. Em todos esses aspectos, o Papa pediu contribuição para a construção de uma sociedade inclusiva e solidária que possa favorecer a reunificação familiar, a proteção dos menores, a liberdade religiosa e os direitos fundamentais.

De acordo com o Prof. Dr. Pe. Paulo Sérgio Lopes Gonçalves, da Faculdade de Teologia da PUC-Campinas, o documento afirma o pressuposto fundamental do Evangelho de que a humanidade se constitui de diversos povos, marcados por sua respectiva singularidade identitária em termos sociais, culturais, políticos e religiosos, que são interpelados à vivência da unidade.

“Diante desses pressupostos, o Papa analisa a situação do mundo na atualidade, constatando as desigualdades sociais e econômicas, a tensão entre democracia e autoritarismo, a insistência de projetos imperiais e a emergência de projetos de cooperação entre os povos, a crise ecológica, com a depredação da casa comum e, ao mesmo tempo, o apelo à realização da ecologia integral. Em seguida, o Papa mostra, à luz da fé, a abertura do mundo para um novo projeto político-social, em que a vida seja defendida e promovida em todas as suas dimensões, e em que a pobreza seja assumida como modus spiritualis de vivência, seja no âmbito pessoal seja no âmbito social”, diz o docente.

O Pe. Sérgio afirma, ainda, que o Papa realça a função das religiões na promoção de uma cultura da paz e de uma ecologia integral, enfatizando o papel da Igreja em promover e despertar a humanidade para a unidade, porque somos todos irmãos, filhos e filhas de Deus.

“Enfim, a carta encíclica é uma mensagem, com imensa argumentação filosófica e teológica, de esperança em uma época em que vivemos a pandemia do vírus e a pandemia da injustiça. Realçar a esperança e crer que o mundo fraterno, justo e de paz é passível de ser construído. Sem sombras de dúvidas é um conteúdo que nos põe a pensar e meditar sobre a nossa existência e nos recoloca em caminho de recuperação do sentido de sermos irmãos, membros da família única de Deus”, finaliza.

Foto e informações: Vatican News



Vinícius Purgato
14 de outubro de 2020