Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2021

Notificações sobem 20% e sinalizam alta intensidade na circulação de covid-19 na RMC

Fechada a 51ª semana epidemiológica, pandemia volta a pressionar o sistema de saúde

A Região Metropolitana de Campinas (RMC) fechou a 51ª Semana Epidemiológica, de 13 a 19 de dezembro, com a notificação de 5,5 mil novos casos, aumento de 20,27% em relação ao período anterior. A alta também foi registrada no número de mortes: foram 69 no intervalo, expressando uma variação positiva de 23,21%. É o que mostra a nota técnica do Observatório PUC-Campinas.

De acordo com o infectologista André Giglio Bueno, os dados expõem com clareza o crescimento dos casos desde 45ª Semana Epidemiológica. “Desde o início de novembro, estamos observando um aumento na intensidade de circulação do vírus e na pressão sobre o sistema de saúde”, diz o professor da Faculdade de Medicina da PUC-Campinas, reforçando que a taxa de ocupação de leitos de UTI se mantém alta, acima dos 80%.

Considerando todo o Departamento Regional de Saúde de Campinas (DRS-Campinas), do qual a RMC faz parte, os dados também sinalizam um cenário preocupante: foram contabilizados 6.920 casos e 93 óbitos, aumentos de 14,11% e 34,78%, respectivamente. Só em Campinas, epicentro da pandemia na região, houve notificação de 1.392 infecções e 17 mortes. A taxa de mortalidade do município segue, com isso, sendo uma das piores em nível regional: 120 por 100 mil pessoas.

Dado o contexto, o médico cobra ações mais enérgicas do poder público. “A ações de educação e conscientização da população por parte das prefeituras e estado estão sendo atrapalhadas por trágicas estratégias de comunicação do governo federal, propagando desinformação, inclusive do próprio Ministério da Saúde. Por aqui, a aposta para evitar uma situação ainda pior no início de 2021 segue na esperança de que as pessoas entendam a gravidade da situação atual e passem a adotar com mais rigor todas as medidas de prevenção”, avalia.

Com a iminência da segunda onda, medidas como limitação de horário para funcionamento dos estabelecimentos, além da proibição de venda de bebida alcoólica após às 20h, foram impostas e devem tornar o cenário mais dramático para a atividade econômica, sobretudo no contexto de austeridade fiscal adotado pelo governo. “Até o momento, o governo não anunciou o que vai fazer com o Auxílio Emergencial e com o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda”, afirma o economista Paulo Oliveira, destacando a importância dessas iniciativas para a manutenção do consumo.

“O que podemos afirmar é que, sem medidas de proteção de renda e do emprego, e, diante do cenário econômico e social, os efeitos de uma possível segunda onda serão devastadores para a economia brasileira e, consequentemente, para a economia regional”, aponta.

Dados atualizados da covid-19 na RMC

Devido ao recesso acadêmico, as notas técnicas semanais sobre a covid-19 serão interrompidas. O retorno das publicações sobre o comportamento da pandemia na região está previsto para o dia 11 de janeiro. No entanto, os dados do coronavírus nos municípios paulistas, inclusive os da RMC, estão disponíveis na plataforma interativa do Observatório PUC-Campinas pelo endereço https://observatorio.puc-campinas.edu.br/covid-19/.

Observatório PUC-Campinas

O Observatório PUC-Campinas, lançado no dia 12 de junho de 2018, nasceu com o propósito de atender às três atividades-fim da Universidade: a pesquisa, por meio da coleta e sistematização de dados socioeconômicos da Região Metropolitana de Campinas; o ensino, impactado pelos resultados obtidos, que são transformados em conteúdo disciplinar; e a extensão, que divide o conhecimento com a comunidade.

A plataforma, de modo simplificado, se destina à divulgação de estudos temáticos regionais e promove a discussão sobre o desenvolvimento econômico e social da RMC.  As informações, que englobam indicadores sobre renda, trabalho, emprego, setores econômicos, educação, sustentabilidade e saúde, são de interesse da comunidade acadêmica, de gestores públicos e de todos os cidadãos.



Vinícius Purgato
21 de dezembro de 2020