Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2021

Os dados do acompanhamento Finanças Públicas na RMC do Boletim Econômico PUC-Campinas indicam que valor dos repasses do 1º trimestre de 2010 foram superiores em 5,58% com relação ao mesmo período do ano passado

Os municípios da Região Metropolitana de Campinas (RMC) receberam, no 1º trimestre de 2009, repasses estaduais da ordem de R$ 643,5 milhões. Já, no 1º trimestre de 2010 os repasses foram da ordem de R$ 679,5 milhões, valor 5,58% superior ao do ano anterior. Considerando somente o mês de março, os repasses totalizaram R$ 238,8 milhões, valor 13,7% superior ao recebido em março de 2009.

De acordo com a análise dos dados, os números positivos no comparativo com 2009 eram de certa forma esperados em função da queda do nível de atividade econômica no último ano. Essa queda deveu-se, sobretudo em função da crise financeira internacional deflagrada no último trimestre de 2008, que fez reduzir a arrecadação e por consequência os repasses.

Ainda destaca-se uma dinâmica diferenciada entre os números de repasses do ICMS e do IPVA, que juntos respondem por mais de 95% do total recebido. As variações dos repasses do ICMS são reflexos da variação da arrecadação que por sua vez é resultante do nível de atividade econômica no momento presente, ainda que possa haver alguma pequena defasagem, de alguns dias, entre o momento do fato gerador da arrecadação e do repasse.

Já a variação, de um ano para o outro, da arrecadação e repasse do IPVA tem origem no valor da frota de veículos. A frota de veículos sofre uma variação durante o ano, porém a arrecadação se dá concentradamente no 1º trimestre e principalmente no mês de janeiro. Assim, a variação da arrecadação de IPVA em janeiro de 2010 é reflexo do aumento do valor da frota entre 2008 e 2009.

O Acompanhamento Finanças Públicas na RMC do Boletim Econômico PUC-Campinas é realizado pelo professor Pedro de Miranda Costa do Centro de Economia e Administração (CEA) da PUC-Campinas.

Emprego na RMC

Neste segundo mês de 2010, a criação de emprego na RMC continuou surpreendente. Chama atenção o volume de emprego industrial e o de serviços. Somente em fevereiro foram criados 5.591 novos postos de trabalho. As atividades de serviços e industriais lideram o processo de contratação de vagas. Foram criadas 2.790 vagas em atividades de serviços e 1.944 nas atividades industriais, com destaque para os segmentos: de materiais de transportes, metalúrgico e químico. O município de Campinas apresenta o melhor desempenho: 1.209 vagas, mas em Hortolândia observa o maior nível de remuneração: R$ 1.358. O maior volume de contratação, 2.873 vagas, foi de jovens com até 24 anos. O nível de escolaridade mais procurado foi o ensino médio, foram criadas e 3.017 vagas.

O Acompanhamento Emprego na RMC do Boletim Econômico PUC-Campinas é realizado pela professora do Centro de Economia e Administração (CEA) da PUC-Campinas Eliane Navarro Rosandiski

Comércio Exterior da RMC

No mês de março de 2010 a RMC apresentou um crescimento de aproximadamente 18% na exportação de bens em relação ao mês de fevereiro. O mesmo ocorreu com a importação de bens que aumentou: 25,4%. No acumulado do ano, de janeiro a março, a exportação cresceu 12,7% e a importação, 19,2%. O comércio exterior da RMC demonstra recuperação, atingindo os valores que comercializava no período anterior à crise de 2008. Nesta recuperação, no entanto, alteraram-se os destinos dos produtos exportados, aumentaram exportações para Argentina e México e diminuíram para os Estados Unidos e Venezuela e aumentaram as exportações de bens intermediários
e de bens de consumo final, em especial, automóveis, e diminuíram as exportações de bens de capital.

O Acompanhamento Comércio Exterior do Boletim Economia PUC-Campinas é realizado pelo professor do Centro de Economia e Administração (CEA) da PUC-Campinas Adauto Roberto Ribeiro

Indicadores Macroeconômicos

A Produção Industrial avançou 1,5% na passagem de janeiro para fevereiro, descontadas as influências sazonais. Frente a igual mês de 2009, a indústria apontou expansão de 18,4%, terceiro resultado de dois dígitos nesse tipo de confronto. No bimestre, o setor acumulou crescimento de 17,2%. A análise dos Indicadores Macroeconômicos do Boletim Econômico PUC-Campinas é realizada pelo professor do Centro de Economia e Administração (CEA) da PUC-Campinas Fábio Eduardo Iaderozza.

A íntegra do Boletim Econômico PUC-Campinas, volume 11, ano 3, está disponível no Portal PUC-Campinas – www.puc-campinas.edu.br/imprensa.

Atendimento à Imprensa:
Adriana Furtado
afurtado@puc-campinas.edu.br
Telefone: (19)3343-7674



Portal Puc-Campinas
3 de maio de 2010