Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular de Inverno

Mortes provocadas pelo coronavírus apresentam queda na Região Metropolitana de Campinas

Foram 171 óbitos na 31ª Semana Epidemiológica, 13% a menos em relação ao período anterior; por outro lado, número de infectados cresceu

As mortes causadas pelo coronavírus reduziram 13% na 31ª Semana Epidemiológica em relação ao período anterior na Região Metropolitana de Campinas (RMC). Foram 171 óbitos somados entre os dias 26 de julho e 1 de agosto, de acordo com a análise do Observatório PUC-Campinas. Apesar disso, os novos contaminados pela doença contabilizaram 7.5 mil casos, 12,46% a mais comparando-se à semana anterior.

O município de Campinas, líder em número de casos e mortes por covid-19 na RMC, apresentou redução em ambas as taxas no período. Com 2,3 mil novos infectados e 88 óbitos, as diminuições percentuais foram de 15,5% e 8,3%, respectivamente. As quedas ocorrem em meio à reabertura do comércio, permitida após a cidade ter evoluído para a fase laranja na ‘quarentena inteligente’ do Estado de São Paulo.

Para o infectologista André Giglio Bueno, professor da Faculdade de Medicina da PUC-Campinas, as curvas indicam tendência de estabilização, embora os dados retratem a ocorrência de casos há mais de duas semanas, estando, portanto, atrasados em relação ao momento atual. Também cabe dizer que as quedas são apontadas na comparação com a semana epidemiológica anterior, período no qual as autoridades de saúde alegam ter ampliado expressivamente a testagem para casos leves da doença.

“Com isso, seguimos muito dependentes da adesão da população às recomendações para evitar a transmissão e, conforme a situação se prolonga, a tendência é que essa adesão vá diminuindo cada vez mais. Apesar de as pessoas já estarem cansadas das medidas restritivas e com uma necessidade de retomar as atividades laborais por questão de sobrevivência, o distanciamento físico é necessário e trata-se da medida preventiva mais importante. Ainda que a tendência de estabilização ao menos no município de Campinas esteja clara, sobretudo pela taxa de ocupação em leitos de UTI vir se mantendo estável, devemos nos manter alertas, pois o cenário futuro ainda não está desenhado e traz grandes preocupações”, afirma.

Com as estatísticas da semana, o Departamento Regional de Saúde de Campinas manteve-se na segunda posição do Estado em números absolutos de casos e mortes, atrás somente da Grande São Paulo. No DRS-Campinas, os municípios de Paulínia, Jundiaí e Itupeva demonstram a maior incidência de casos, todos com mais de 1.500 infectados por 100 mil habitantes. Em relação às mortes, os índices são piores em Jundiaí e Cabreúva. Na RMC, Campinas e Nova Odessa ocupam essa posição no quesito taxa de mortalidade.

Do ponto de vista econômico e social, o professor extensionista Paulo Oliveira, que coordena as notas técnicas sobre a covid-19 pelo Observatório, acredita que os reflexos da reabertura parcial do comércio devem ser sentidos nas próximas semanas. O economista defende, mais uma vez, a necessidade de políticas conjuntas entre as prefeituras da RMC para a condução de um retorno seguro às atividades econômicas.

“A falta de articulação e outras questões que colaboram com níveis de isolamento social abaixo do esperado podem jogar os comerciantes numa rotina de aberturas e fechamentos prejudicial ao planejamento e à gestão”, diz o docente, que enaltece os problemas futuros de recuperação da economia frente à redução do emprego e da renda, num contexto de aversão às políticas de gasto de governo no momento.

Os dados atualizados da covid-19 nos municípios paulistas, incluindo a RMC, podem ser obtidos no painel interativo do Observatório: https://observatorio.puc-campinas.edu.br/covid-19/.

Foto: Prefeitura Municipal de Campinas



Vinícius Purgato
3 de agosto de 2020