Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Contatos oficiais Área do aluno
Novo Vestibular

Investimentos crescem 54% na Região de Campinas em 2021 com prevalência em atividades de alto valor econômico

Cerca de R$ 3,7 bilhões foram investidos no período, com destaque aos serviços intensivos em tecnologias. Segundo economista, situação favorece dinâmica socioeconômica da região

O número de investimentos na Região de Campinas saltou de 26 projetos, em 2020, para 40 em 2021, segundo estudo elaborado pelo Observatório PUC-Campinas. O aumento de 54%, além de expor uma recuperação em meio ao contexto da pandemia, é favorável devido à natureza das aplicações, que se deram em atividades de alto valor econômico, como serviços intensivos em tecnologias.

Dos 40 investimentos confirmados – montante que coloca a Região Administrativa de Campinas na 2ª posição do Estado neste quesito, atrás apenas da Região Metropolitana de São Paulo –, 10 são ligados à indústria e 13 ao Setor de Serviços, sobretudo em atividades relativas a tecnologias da informação e da comunicação. Em anos anteriores, os investimentos vinham sendo feitos em serviços de baixo valor, como alimentação, o que culminava numa macroeconomia de empregos mais precários, de menor nível de renda.

Responsável pelo levantamento, o economista Cristiano Monteiro vinha reforçando, nos últimos relatórios, a necessidade de se investir em serviços especializados, como TI, ligados ao consumo das empresas para efeitos de inovação tecnológica e desempenho corporativo. A situação, que se concretizou nos investimentos de 2021, é benéfica, segundo ele, à dinâmica socioeconômica da região.

“Interessante notar que o fluxo de investimentos demonstrou densidade nas atividades de alto valor, como indústria de máquinas e equipamentos e indústria farmacêutica, bem como serviços de pesquisa e desenvolvimento, especialmente na construção de centros tecnológicos digitais. Os dispêndios em tais atividades costumam trazer impactos positivos ao produto, ao emprego e à renda na região e no país”, afirma o docente extensionista.

Em relação à Região Administrativa de São José do Rio Preto, que ocupou a 3ª posição do Estado em números absolutos de investimentos, a RA de Campinas apresentou valor investido quase 4 vezes superior. A discrepância demonstra a diferença das aplicações em cada região. Enquanto a RA de São José do Rio Preto teve seus investimentos direcionados aos serviços de alimentação, por exemplo, a RA de Campinas teve recursos destinados a atividades de alto valor.

“A posição de investimentos em serviços intensivos em conhecimentos e tecnologias, alcançada pela Região de Campinas neste último ano, surge bem diferente de outras localidades regionais do Estado de São Paulo. Foram investimentos feitos em centros de tecnologias, laboratórios de atividades digitais e expansão de startups, ou seja, em segmentos conectados ao estratégico da Revolução Digital que vive o país e o mundo. Sem dúvidas, este é um traço importante para o desenvolvimento da região de Campinas”, avalia Monteiro.

Observatório PUC-Campinas

O Observatório PUC-Campinas, lançado no dia 12 de junho de 2018, nasceu com o propósito de atender às três atividades-fim da Universidade: a pesquisa, por meio da coleta e sistematização de dados socioeconômicos da Região Metropolitana de Campinas; o ensino, impactado pelos resultados obtidos, que são transformados em conteúdo disciplinar; e a extensão, que divide o conhecimento com a comunidade.

A plataforma, de modo simplificado, se destina à divulgação de estudos temáticos regionais e promove a discussão sobre o desenvolvimento econômico e social da RMC.  As informações, que englobam indicadores sobre renda, trabalho, emprego, setores econômicos, educação, sustentabilidade e saúde, são de interesse da comunidade acadêmica, de gestores públicos e de todos os cidadãos.



Vinícius Purgato
8 de março de 2022