Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Contatos oficiais Área do aluno
Vestibular Inverno

Estudo sobre vulnerabilidade na região Noroeste de Campinas mostra mulheres como as mais afetadas 

Trabalho do Observatório PUC-Campinas está na primeira fase e avaliará evolução nos últimos 10 anos 

As mulheres são as mais afetadas pela falta de assistência, serviços e estrutura nas regiões Noroeste de Campinas segundo os primeiros resultados do estudo “Vulnerabilidade Socioterritorial na Região Noroeste de Campinas, SP: considerações”, realizado pelo Observatório PUC-Campinas. O trabalho, coordenado pela Profa. Dra. Vera Lúcia dos Santos Plácido, teve a participação de Danilo Mangaba de Camargo, Felipe Pedroso de Lima e Jacqueline dos Santos Oliveira na compilação e análise de dados.

Clique aqui para acessar o estudo 

O estudo mostrou que é clara a presença das mulheres nas áreas mais vulneráveis, o que reforça a necessidade de redes que as acolham e lhes garantam condições de lidar com os diversos riscos que as acometem e as mantêm reféns permanentes da exclusão.

Os pesquisadores ainda lembram que as mulheres são vítimas de violências que perduram no nosso país por décadas, e essa situação certamente aprofunda mais ainda o ciclo vicioso da pobreza estrutural a que estão submetidas.

Os pesquisadores avaliaram densidade demográfica, taxa de dependentes, número de moradores por setor censitário, taxa de analfabetos, moradores por domicílio e taxa de carência  de rendimentos.

“O estudo indica que a vulnerabilidade social não é apenas uma situação momentânea, fruto de políticas recentes. Políticas recentes podem, obviamente, acentuar a pobreza estrutural que cria e recria as condições territoriais para a vulnerabilidade”, disse a professora Vera.

Os dados utilizados são de 2010, portanto, de uma década atrás, mas servirão de base para ver como foi a evolução nos últimos anos. Os primeiros resultados são introdutórios a um estudo mais aprofundado que está sendo realizado e será divulgado em breve.

“Os dados considerados foram de 2010, porque à época não tivemos acesso ao CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais) do município. Tivemos esse acesso liberado agora e estamos trabalhando neles”, diz Vera.

Nas áreas estudadas, a região administrativa 13 (AR 13) é a mais problemática, com a vulnerabilidade dispersa no território. É a região onde estão bairros como Cidade Satélite Íris, Residencial Sírius, Jardim Bassoli, Jardim São Judas Tadeu, Jardim Maringá e Jardim Marialva, entre outros.



Marcelo Andriotti
16 de novembro de 2020