Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Contatos oficiais Área do aluno
Vestibular Inverno

Estudo aponta necessidade de investir em desenvolvimento de fornecedores nacionais

Observatório PUC-Campinas mostra que produção local continuará sofrendo impactos

Uma análise do impacto das importações de insumos para a produção econômica da RMC (Região Metropolitana de Campinas) mostra que a alta do dólar e o conflito entre Rússia e Ucrânia estão forçando empresas a buscarem substitutos locais. O estudo feito pelo Observatório PUC-Campinas sugere que é preciso incentivar fornecedores nacionais a melhorarem seus produtos para atender essa necessidade de mercado.

“Recomenda-se que, quando possível, as empresas regionais busquem o desenvolvimento de fornecedores. Do ponto de vista da política econômica, os formuladores de política, em âmbito nacional e regional, devem fomentar a substituição de importações em setores estratégicos, facilitando o desenvolvimento e implementação de ações que visem ganhos de produtividade”, disse o Prof. Dr. Paulo Oliveira, coordenador da pesquisa.

Clique aqui para acessar estudo completo

Na RMC houve um impacto muito grande, principalmente na indústria automobilística, que está enfrentando a alta de preços de peças utilizadas nos veículos e também na escassez de algumas delas, o que afeta não só custos, mas também a produção.

Esse, entretanto, não é o único setor impactado e muitas empresas já estão buscando substitutos entre os fornecedores, mas enfrentam dificuldades com qualidade e custos. “As limitações tecnológicas, que impactam sobretudo a produtividade nacional, é um fator que deve dificultar essa realocação, e pode comprometer a competitividade das exportações”, diz o professor.

O estudo também aponta que os problemas continuarão a afetar a produção nacional. O contexto das cadeias globais de valor continua desfavorável para o fornecimento de insumos, sem mudanças a curto prazo sobre os conflitos na Ucrânia, a desvalorização do real e com sinais de aumento nos casos de covid.



Marcelo Andriotti
9 de junho de 2022