Mescla
Mescla
Observatório PUC-Campinas
Observatório
PUC-Campinas
Facebook
Central de
Atendimento
ao Aluno

Com possível efeito do Coronavírus, RMC reduz importações da China em janeiro

Por outro lado, houve aumento na exportação de medicamentos, reforçando preocupação dos chineses com a doença, mostra estudo do Observatório PUC-Campinas

A importação de produtos fabricados na China, principal fornecedora da indústria regional, teve queda superior a 12% em janeiro deste ano. Segundo relatório do Observatório PUC-Campinas, o resultado pode estar atrelado ao Coronavírus, que se tornou preocupação mundial nos últimos meses. Contudo, possivelmente em razão da apreensão gerada pela doença, houve aumento na exportação de medicamentos à China no período.

Responsável pelo estudo, o economista Paulo Oliveira enaltece que ainda é cedo para avaliar os impactos do Coronavírus nas transações comerciais com a China. No entanto, o docente reitera que os insumos vindos da China são fundamentais à produção regional. “Do lado da importação, o país é o principal parceiro comercial, respondendo por cerca de 23% dos produtos importados, sobretudo telefones, circuitos integrados, acessórios de máquinas de escritório e componentes químicos. Se a atividade industrial chinesa se retrair, rompendo as cadeias de fornecimento, nossas empresas podem ficar desabastecidas”, destaca.

Se comparado a janeiro de 2019, o volume de importações em produtos de telefonia, compostos químicos e circuitos eletrônicos sofreu redução este ano. Apenas os insumos ligados a acessórios de máquinas de escritório apresentaram crescimento no valor importado. Já nas exportações, a venda de medicamentos à China foi destaque na pauta, apresentando aumento exponencial em relação ao ano passado. Foram quase U$S 3 milhões em números absolutos.

Balança comercial

No geral, considerando as trocas comerciais envolvendo outros países, os números também são pouco animadores: apesar da leve diminuição no déficit comercial, este foi o terceiro pior desempenho na década para o mês de janeiro. Houve redução de 13,5% nas exportações e de 3,75% nas importações na comparação com o mesmo período de 2019.

As diminuições na pauta de exportação estiveram ligadas especialmente aos produtos de média-alta – peças de carros, papel revestido e automóveis – e média-média complexidades, tais como compostos químicos e pneus. O resultado não foi pior graças ao crescimento na exportação de agroquímicos.

Nas importações, as quedas foram observadas em maior proporção na categoria de média-alta complexidade, que engloba produtos e insumos de telefonia, circuitos integrados e compostos heterocíclicos de nitrogênio. Em contrapartida, houve aumento nas compras externas de partes e acessórios de máquinas de escritório, inseticidas, fungicidas, herbicidas e misturas de fertilizantes.

“Feita a análise, podemos verificar que 2020 começa com sinal de queda na atividade econômica da indústria química, de telefonia e de eletrônicos. Por outro lado, é possível observar melhor dinâmica na agricultura e um tímido crescimento na indústria automobilística”, afirma Paulo.




Pesquisar



Próximos eventos


Não há eventos futuros

Estude na PUC-Campinas

Prorrogadas as inscrições e o início de aulas de 21 cursos de especialização

15ª Chamada de Lista de Espera de Medicina

11º Resultado: Remanejamento Interno, Transferência Externa e Ingresso de Portador de Diploma

Novo Vestibular 2020 (3º Edital de Vagas Remanescentes)

Primeira chamada do Processo Seletivo dos Cursos de Especialização

Veja também

Projeções matemáticas reforçam importância de isolamento social no combate ao coronavírus

Professor da Engenharia Ambiental dá dicas para cuidar de recicláveis durante quarentena

Um Desafio Nos Une

PUC-Campinas e Arquidiocese lançam juntas site com ações de auxílio à população

Comunidades da PUC-Campinas e do Hospital terão atendimento por telefone com auxílio psicológico durante a quarentena