Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2022

Avanço da pandemia é freado após quedas nas taxas de casos e mortes na 50ª Semana Epidemiológica

Depois de duas semanas, pandemia apresenta estabilidade na região; ainda assim, ocupação de leitos de UTI permanece elevada

A evolução da pandemia na Região Metropolitana de Campinas (RMC) nas duas últimas semanas desacelerou na 50ª Semana Epidemiológica (de 6 a 12 de dezembro), segundo nota técnica do Observatório PUC-Campinas. Foram contabilizados, no período, 4,5 mil novos casos, redução de 4,31% em relação ao intervalo anterior. A taxa de óbitos foi superior em apenas 1,78%.

O comportamento da pandemia, que vem provocando temor pela possibilidade de 2ª onda, teve a mesma direção no Departamento Regional de Saúde de Campinas (DRS-Campinas), cujas taxas de infecções e mortes sofreram variações negativas de 2,57% e 2,66%. O município de Campinas, epicentro da covid-19 na região, também apresentou variações decrescentes de 16,73% e 33%. No período, foram registrados 1.299 casos e 16 mortes na metrópole.

Apesar do respiro, a ocupação de leitos de UTI segue elevada nas cidades que compõem o DRS-Campinas: com as 763 internações na 50ª Semana Epidemiológica (2% a mais comparando-se à semana anterior), a taxa supera os 80%. Em Campinas, embora o volume de atendimentos tenha permanecido estável, cerca de 4.200 pacientes foram consultados com problemas respiratórios. Em outubro, esse número girava em torno de 2 mil.

Por essa razão, o infectologista André Giglio Bueno, professor da Faculdade de Medicina da PUC-Campinas, relativiza a leve desaceleração da pandemia no período analisado, reforçando que a disseminação do vírus cresceu consideravelmente desde o término do mês de outubro. A situação pode se agravar, segundo ele, com a proximidade das festividades de fim de ano.

“Não será possível reunir toda a família num mesmo ambiente. O mais recomendável seria que apenas as pessoas que já moram na mesma casa se reunissem e, ainda assim, adotando máximo cuidado nesse momento. É preferível realizar os encontros em locais bem ventilados, se possível em área aberta ao ar livre, respeitando sempre o distanciamento físico, a utilização de máscaras e os cuidados com a higienização de mãos e superfícies”, sugere.

No aspecto econômico, a possibilidade de 2ª onda e a consequente restrição de funcionamento de estabelecimentos comerciais preocupa, sobretudo em razão dos impactos ainda sentidos da primeira grande passagem da pandemia. “Além dessas limitações, é importante frisar a redução na quantia recebida pelos beneficiários do Auxílio Emergencial. A média por domicílio, antes de R$ 901,00, agora é de R$ 688,00 como efeito da diminuição promovida pelo governo federal. A renda mais baixa da população certamente impactará o comércio da RMC e as vendas de fim de ano, principalmente em regiões mais pobres”, avalia o economista Paulo Oliveira, que coordena as análises relativas à covid-19 pelo Observatório PUC-Campinas.

Os dados atualizados da covid-19 na RMC estão disponíveis no Painel Interativo do Observatório, pelo site https://observatorio.puc-campinas.edu.br/covid-19/.

Observatório PUC-Campinas

O Observatório PUC-Campinas, lançado no dia 12 de junho de 2018, nasceu com o propósito de atender às três atividades-fim da Universidade: a pesquisa, por meio da coleta e sistematização de dados socioeconômicos da Região Metropolitana de Campinas; o ensino, impactado pelos resultados obtidos, que são transformados em conteúdo disciplinar; e a extensão, que divide o conhecimento com a comunidade.

A plataforma, de modo simplificado, se destina à divulgação de estudos temáticos regionais e promove a discussão sobre o desenvolvimento econômico e social da RMC.  As informações, que englobam indicadores sobre renda, trabalho, emprego, setores econômicos, educação, sustentabilidade e saúde, são de interesse da comunidade acadêmica, de gestores públicos e de todos os cidadãos.



Vinícius Purgato
14 de dezembro de 2020