Observatório PUC-Campinas
Observatório
PUC-Campinas
Facebook
Central de
Atendimento
ao Aluno

Aluno de Engenharia de Computação desenvolve aplicativo para cegos

 Leitor de notas busca dar autonomia às pessoas com deficiência visual

O aluno Leonardo Maffei, que está no último ano do Curso de Engenharia de Computação, desenvolveu, como exigência de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), o aplicativo “Blind”, um leitor de cédulas que busca auxiliar na autonomia de pessoas com deficiência visual.

A ideia do projeto, que está em fase de aprimoramento, se deu a partir do contato com este público, que alegou dificuldades para reconhecer as notas, embora já existam características que as diferenciem, como o tamanho e as marcas em relevo que facilitam a identificação tátil.

Desenvolvida a partir de redes neurais e inteligência artificial, a plataforma – que inicialmente ficará disponível, de forma gratuita, nos smartphones de sistema operacional iOS – apresenta as instruções oralmente, devendo os usuários seguir os seguintes passos: aproximar o celular da cédula e tirar uma foto. O software tem sido abastecido com fotografias variadas para elevar a probabilidade de acerto. “Mais de mil notas de cada valor já foram registradas. Quanto maior a base de dados, melhor será a qualidade do aplicativo”, explicou o estudante.

WhatsApp Image 2018-09-26 at 16.19.41

Testes

No início de outubro, o aplicativo será testado em campo pelo autônomo Fernando Maciel da Silva, de 33 anos, que perdeu a visão há duas décadas e ajuda nas contas da casa com a venda de trufas pelas ruas de Campinas. Atendido pelo Centro Interdisciplinar de Atenção à Pessoa com Deficiência (CIAPD), órgão vinculado à Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários da PUC-Campinas, ele recebeu, de presente, um smartphone para utilizar durante o trabalho.

“Isso é ótimo por vários motivos: primeiro porque me estimula a aprender a tecnologia; depois porque me ajuda a alavancar as vendas, na medida em que facilita o contato com as pessoas, a entrega do troco para os clientes”, afirmou Fernando, que sonha, no futuro, em ter o próprio negócio para melhorar a condição de vida da família. Ele é casado e tem um filho de três anos.

A experiência com o Fernando é resultado da parceria entre o CIAPD e o Projeto de Extensão do Prof. Dr. Fernando Kintschner, responsável pela elaboração de materiais didáticos, oficinas e videoaulas para pessoas com deficiência. Uma das etapas do projeto é aproveitar Trabalhos de Conclusão de Curso em benefício dessa população. “Isto é, traduzir o TCC em oportunidades que melhorem a qualidade de vida de cada um deles. O aplicativo do Leonardo, a quem eu oriento, segue justamente esse princípio”, destacou o docente.

Após o período de vivência na prática, que deve durar cerca de um mês, a plataforma passará por uma reavaliação, a fim de corrigir eventuais problemas e viabilizar a disponibilização na App Store, prevista para fevereiro de 2019. Antes disso, contudo, o estudante se compromete a instalar o aplicativo para qualquer pessoa que manifestar interesse. “Me sinto na obrigação de ajudar o próximo. Nunca pensei em ganhar dinheiro com isso, apenas contribuir com o bem-estar de outras pessoas. Isso me deixa muito feliz”, concluiu Leonardo, que se forma no fim do ano pela PUC-Campinas.


Pesquisar

Veja também

Déficit da balança comercial na RMC fecha em US$ 7,98 bilhões em 2018

Cursos de Atualização na área de Engenharia estão com inscrições abertas

Inscrições abertas para Curso de Atualização na área de Educação

Cursos de Atualização na área ambiental estão com inscrições abertas

6ª Chamada da Lista de Espera do Vestibular 2019