Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2021

Saldo de empregos formais fecha positivo na RMC após quatro meses de queda 

Maioria dos municípios da região registrou aumento na geração de postos de trabalho; Campinas, na contramão, exibiu nova redução  

A Região Metropolitana de Campinas (RMC), após quatro meses de queda na geração de empregos, encerrou o mês de julho com saldo positivo de 871 novos postos de trabalho. O resultado foi exibido em análise do Observatório PUC-Campinas com base nos indicadores divulgados pelo Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED).

Responsável pela análise, a economista Eliane Rosandiski avalia que a recuperação dos empregos na RMC, ainda tímida, está sendo puxada pelas atividades de Construção Civil (+824 vagas), Indústria de Transformação (+598) e Comércio (+539). O Setor de Serviços, que apresentou saldo positivo de 467 postos de trabalho ligados às atividades financeiras, de informação e comunicação, exibiu, por outro lado, resultados negativos nos segmentos de alojamento, alimentação, transporte e armazenagem. 

O crescimento das oportunidades de trabalho ocorreu na maioria das cidades da regiãoem especial Paulínia, Sumaré, Hortolândia e Pedreira que, juntas, foram responsáveis pela criação de mais de mil vagas. Em contrapartida, o município de Campinas, com aproximadamente 50% dos postos fechados no período, registrou saldo negativo de 994 empregos formais no mês de julho. Os mais favorecidos pelos postos gerados na RMC foram jovens entre 18 e 24 anos, enquanto os profissionais na faixa de 50 a 64 anos foram os mais prejudicados. 

Ainda de acordo com a professora extensionista, a avaliação da recuperação requer a compreensão dos impactos das medidas adotadas, tais quais o auxílio emergencial e a flexibilização de contratos de trabalho no mercado formal. Estima-se que, em julho, 757 mil pessoas estavam recebendo auxílio e, dos 857 mil trabalhadores empregados formalmente, 47% seguem com contratos flexibilizados. 

“Diante disso, o desafio é saber se a economia irá se recuperar na intensidade necessária para evitar um movimento de reajuste no momento em que se cesse o período de flexibilização e/ou termine a transferência do auxílio. O panorama atual apresenta indícios de que tais programas de manutenção de empregos devem ser acompanhados de estratégias de desenvolvimento econômico capazes de fortalecer vocações regionais de geração de trabalho e renda”, afirma Eliane. 

No acumulado do ano, a Região Metropolitana de Campinas apresenta saldo negativo de 33,2 mil postos de trabalho. 

Observatório PUC-Campinas 

O Observatório PUC-Campinas, lançado no dia 12 de junho de 2018, nasceu com o propósito de atender às três atividades-fim da Universidade: a pesquisa, por meio da coleta e sistematização de dados socioeconômicos da Região Metropolitana de Campinas; o ensino, impactado pelos resultados obtidos, que são transformados em conteúdo disciplinar; e a extensão, que divide o conhecimento com a comunidade. 

A plataforma, de modo simplificado, se destina à divulgação de estudos temáticos regionais e promove a discussão sobre o desenvolvimento econômico e social da RMC.  As informações, que englobam indicadores sobre renda, trabalho, emprego, setores econômicos, educação, sustentabilidade e saúde, são de interesse da comunidade acadêmica, de gestores públicos e de todos os cidadãos. 



Vinícius Purgato
24 de agosto de 2020