Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2021

Com 360 novos casos em sete dias, pandemia avança em ritmo acelerado no município de Campinas

Nova análise do Observatório PUC-Campinas mostra curva de contágio ascendente para a RMC, que apresentou aumento de 35% no número de mortes em uma semana

Uma nota técnica do Observatório PUC-Campinas, divulgada nesta segunda-feira (25/05), revela que a cidade de Campinas, com 360 novos casos por coronavírus (covid-19) entre os dias 17 e 23 de maio, está entre os sete municípios do Estado de São Paulo com maior taxa de crescimento da pandemia. A curva epidemiológica do período mostra, ainda, aumento rápido e contínuo para a Região Metropolitana de Campinas (RMC).

Com a ascendência registrada, Campinas ultrapassou os 1.300 casos confirmados da doença e 52 óbitos, apresentando também a pior média da região em casos absolutos para cada 100 mil habitantes, junto aos municípios de Morungaba e Paulínia. Em contrapartida, as cidades de Pedreira e Arthur Nogueira seguem tendo a menor incidência de casos na RMC em termos relativos.

No período de análise, feita pelo economista Paulo Oliveira e pelos estudantes extensionistas Nicholas Rodrigues Ramos, de Economia, e Felipe Pedroso de Lima, de Geografia, a Região Metropolitana de Campinas exibiu 639 novos casos e 23 mortes, aumentos de 4,75% e 35,29%, respectivamente, em relação à semana epidemiológica anterior encerrada em 16 de maio.

As taxas de casos confirmados e óbitos por 100 mil pessoas, anteriormente entre as mais baixas do país, indicam comportamento crescente de contágio em toda a região: a média de casos nos 20 municípios que integram a RMC, antes de 42,6 para cada 100 mil habitantes, subiu para 57,94 num período de sete dias. No Estado de São Paulo e no Brasil, as médias são de 66 e 110,7 casos, respectivamente.

“No entanto, percebe-se que não há homogeneidade entre os números de casos e mortes na região. Alguns municípios sequer declararam mortes pela covid-19, enquanto Indaiatuba, Hortolândia e Campinas são, neste momento, as cidades da RMC com maiores taxas de morte para cada 100 mil habitantes. As duas primeiras, inclusive, ultrapassam a média dos municípios brasileiros, de 4,56 óbitos por 100 mil pessoas, tendo os piores índices no território nacional”, afirma Paulo.

O aumento exponencial dos casos na região, que causa preocupação nas autoridades de saúde municipais e do Estado, reforça a necessidade de medidas de contenção. “A efetividade da contenção dos casos e mortes vai depender, necessariamente, da capacidade de estrutura da saúde regional, da conscientização da população e da eficiência das medidas de isolamento social, como aponta a maioria dos especialistas no Brasil e no mundo”, acrescenta o docente.

Observatório PUC-Campinas

O Observatório PUC-Campinas, lançado no dia 12 de junho de 2018, nasceu com o propósito de atender às três atividades-fim da Universidade: a pesquisa, por meio da coleta e sistematização de dados socioeconômicos da Região Metropolitana de Campinas; o ensino, impactado pelos resultados obtidos, que são transformados em conteúdo disciplinar; e a extensão, que divide o conhecimento com a comunidade.

A plataforma, de modo simplificado, se destina à divulgação de estudos temáticos regionais e promove a discussão sobre o desenvolvimento econômico e social da RMC.  As informações, que englobam indicadores sobre renda, trabalho, emprego, setores econômicos, educação, sustentabilidade e saúde, são de interesse da comunidade acadêmica, de gestores públicos e de todos os cidadãos.

Foto: Prefeitura Municipal de Campinas



Avelino Souza
28 de maio de 2020