Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2021

Universidade produzirá mais mil protetores faciais após nova parceria

Empresa fornecerá material usado em viseira de kit confeccionado na PUC-Campinas para hospitais da região

A PUC-Campinas fez uma nova parceria para receber matéria-prima para a produção de protetores faciais para distribuição a hospitais da região de Campinas. Com o apoio da nova empresa, a Sabic, será possível ampliar a produção do equipamento, que está sendo realizada pelos Laboratórios da Universidade em conjunto com a empresa Sethi 3D.
Segundo o Prof. Dr. Marcos Carneiro, diretor da Faculdade de Engenharia Mecânica, deve ser concluída a produção de 800 protetores da primeira fase. Nessa segunda fase, que começa com o fornecimento de policarbonato pela empresa Sabic, a expectativa é confeccionar mais 1 mil nas próximas semanas. O objetivo é conseguir distribuir nos próximos meses 5 mil máscaras.
A Sabic possui unidade de fabricação de resinas termoplásticas e chapas de policarbonato em Campinas. O material que ela fornecerá combina alta resistência ao impacto com excelente qualidade ótica. É um produto adequado para os visores devido à baixa distorção ótica, que evita desconforto aos usuários. Além disso, pode ser facilmente higienizada com água e sabão neutro e desinfetada com o uso de álcool isopropílico.
A Universidade começou a produzir os protetores faciais em conjunto com a empresa Sethi 3D, após adaptar um projeto do Instituto da Georgia Tech. Utilizando inicialmente um projeto aberto disponibilizado pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology), a produção estava demorando cerca de duas horas e meia por máscara. Mas com a adaptação feita na PUC-Campinas, utilizando conjuntamente cortadoras a laser e impressoras 3D, o tempo caiu para dois minutos.
A equipe de pesquisadores da PUC-Campinas se disponibilizou para tirar eventuais dúvidas e receber sugestões de melhoria do projeto. O Prof. Dr. César Cordova Quiroz, que desenvolveu o projeto para a cortadora a laser, também colocou o modelo na internet disponível para quem quiser produzir o protetor.
Já foram entregues 544 kits para o Hospital da PUC-Campinas, Clínica Pierro – Hospital Santa Tereza, UPA São José, Unidade Básica de Saúde São Marcos, Hospital Maternidade de Campinas, Hospital Augusto de Oliveira Camargo, Centro de Referência à Saúde do Idoso, Pronto Atendimento Dr. Sérgio Arouca, Hospital Dr. Adib Domingos Jatene, de Sorocaba, Hospital Santa Casa Jesus Maria José, CAISM Unicamp e Hospital Municipal Dr. Mário Gatti.
O equipamento, além de proporcionar maior segurança aos médicos e enfermeiros, tem prazo de validade maior do que as máscaras utilizadas normalmente. O protetor pode ser reutilizado depois de higienizado de forma adequada.



Marcelo Andriotti
30 de abril de 2020