Acessibilidade  
Central de Atendimento ao Aluno Área do aluno
Vestibular 2021

O Serviço de Dermatologia do Hospital da PUC-Campinas pesquisou durante seis meses uma nova alternativa para o tratamento da Doença de Bowen. Com esse trabalho, o Hospital conquistou o 1º lugar na categoria Jovem Cirurgião Ival Peres Rosa do 19º Congresso Brasileiro de Cirurgia Dermatológica, realizado do dia 27 de junho a 1º de julho, em Florianópolis.

A Doença de Bowen é um tipo de câncer de pele, de difícil controle, por causa de sua extensão e dificuldade de delimitação. O principal sintoma é uma mancha marrom-avermelhada, espinha e ferida que não cicatriza. “Seu surgimento se relaciona principalmente com a exposição solar, mas também, a fatores genéticos e tabagismo”, explica a dermatologista Sylvia Ypiranga Rodrigues.

Pessoas de pele, cabelos e olhos claros, que pouco se bronzeiam e muito se queimam pertencem ao grupo com maior chance de desenvolver a doença. “Quando expostos ao sol, em especial os que se expõem ao sol por tempo prolongado, como por exemplo, trabalhadores rurais e carteiros”, completa a dermatologista.

Terapia fotodinâmica é usada para tratamento

O trabalho foi relatar a cura clínica e histológica da Doença de Bowen com a terapia fotodinâmica (TFD). A TFD é um tratamento não cirúrgico, que não deixa cicatriz e que trata também as lesões não visíveis ao médico. Esse tratamento proporciona melhor recuperação ao paciente.

Para a realização da TFD é necessária a aplicação de uma substância que, após um determinado tempo, se impregna nas células cancerígenas. “Antes de iniciar a exposição é possível identificar mais precisamente os limites da doença, por meio de uma iluminação especial (lâmpada de Wood). Em seguida, com a exposição à luz, essas células impregnadas pela substância (inclusive as das margens mais difíceis de delimitar) são conduzidas à morte e, com isso, à cura da lesão”, afirma a especialista.

Paralelamente, o dano solar à pele, que leva a Doença de Bowen está presente no restante da pele, podendo representar outros cânceres ou risco para o seu desenvolvimento. “Como a aplicação da terapia fotodinâmica (TFD) é estendida à pele próxima a região lesada, é possível tratar também de lesões que estão no começo e prevenir outros cânceres”, completa Sylvia.

A dermatologista ressalta que o implicante nesse tratamento é seu alto custo que pode ser de R$ 700,00 a R$ 1,5 mil por sessão. A pessoa pode ser indicada para realizar até duas sessões. Esse tratamento, ainda não é custeado pelo Sistema Único de Saúde (SUS).



Portal Puc-Campinas
26 de julho de 2007